Tempo
|
Francisco Sarsfield Cabral
Opinião de Francisco Sarsfield Cabral
A+ / A-

​Espanha dividida

17 nov, 2023 • Opinião de Francisco Sarsfield Cabral


Portugal nada teria a ganhar com a divisão de Espanha.

O regresso à normalidade do governo em Espanha fez-se à custa de uma ameaça à unidade do país. Parece mais distante a solução federal para uma Espanha plurinacional. Portugal nada teria a ganhar com a divisão de Espanha.

Ontem, no parlamento espanhol, Pedro Sánchez foi reeleito presidente do governo de Espanha. Parece, assim, ter terminado o longo período durante o qual não houve em Madrid um governo em plenitude de funções.

O problema está em que o preço para este regresso à normalidade foi muito alto. P. Sánchez manteve-se chefe do governo espanhol graças a concessões feitas a partidos independentistas da Catalunha, como o compromisso de amnistiar os que em 2017 promoveram ali um referendo ilegal.

Acontece que Sánchez e, com ele, o seu partido (PSOE), várias vezes recusaram essa amnistia. Agora, para se manter no poder, P. Sánchez defende a amnistia e classifica de “direitas reacionárias” os que se opõem a ela.

É certo que o Vox, um partido de extrema-direita, tem surgido com destaque nas manifestações contra a amnistia; nesse sentido, a insistência de Sánchez na amnistia aos independentistas da Catalunha foi um involuntário favor político à extrema-direita espanhola. Mas muitos espanhóis que não são de direita se preocupam com esta concessão aos independentistas da Catalunha. A unidade de Espanha fica abalada.

Torna-se mais distante uma Espanha federal, como é a Alemanha, por exemplo. Uma estrutura federal seria adequada a um país onde coexistem várias nações - Catalunha, Galiza, País Basco, etc. Mas para concretizar o federalismo em Espanha é indispensável um sereno clima político, que tem sido tudo menos sereno.

E se Sánchez ganhou a simpatia dos independentistas da Catalunha (que não representam a maioria dos catalães) suscitou a revolta dos que pretendem salvaguardar a unidade do país.

Portugal nada teria a ganhar com a divisão de Espanha. Numa altura em que as relações políticas luso-espanholas entraram na normalidade, afastadas que estão as ameaças - reais ou imaginárias - à independência portuguesa, que é bem mais antiga do que a unidade do Estado espanhol, dividir Espanha seria um retrocesso lamentável.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Jos÷ J C Cruz Pinto
    17 nov, 2023 Ílhavo 07:21
    E o que interessa que tenhamos ou não algo a ganhar. A democracia para os povos da Península Ibérica depende da vontade de apenas um deles? Que ideia mais absolutamente peregrina!