Tempo
|
Francisco Sarsfield Cabral
Opinião de Francisco Sarsfield Cabral
A+ / A-

As sociedades multiculturais e os seus limites

01 ago, 2022 • Opinião de Francisco Sarsfield Cabral


Respeitar a cultura dos imigrantes, que marca a personalidade de muitos deles, é respeitar a identidade desses imigrantes. Mas as sociedades multiculturais não podem abdicar de valores universais.

Num discurso recente, Viktor Orban, primeiro-ministro da Hungria e líder da “democracia iliberal” húngara (nas palavras dele), mostrou-se contrário a sociedades multiculturais. V. Orban admite misturas de europeus de várias origens, mas não de europeus e não europeus.

Uma sua assessora demitiu-se, após vinte anos a aconselhar V. Orban. Essa assessora considerou o discurso do primeiro-ministro húngaro “puro nazismo, à altura de Goebbels”.

Viktor Orban não gosta de sociedades onde existam diferentes culturas. Mas essas sociedades são já as nossas sociedades multiculturais. Também por isso designamos de “pluralista” a democracia vigente na maioria dos países desenvolvidos.

Por exemplo, respeitar a cultura dos imigrantes, que marca a personalidade de muitos deles, é respeitar a identidade desses imigrantes. Mas as sociedades multiculturais não podem abdicar de valores universais. Por isso criminalizam práticas ancestrais, como a mutilação genital feminina ou os maus tratos dos homens sobre as suas mulheres.

As democracias pluralistas procuram limitar a interferência estatal. Pretendem dar liberdade às diferentes opções das pessoas sobre aquilo que para elas é valioso na vida. Mas não ao ponto de o Estado ser neutro, despojado de quaisquer valores substantivos.

Mas, então, haverá imposição estatal de certos valores a quem, por hipótese não comunga desses valores. É um facto. A liberdade democrática, nas sociedades pluralistas, consiste na possibilidade de cada um participar no debate público sobre valores, visando a formação de um consenso maioritário, não unânime, que seja uma base de valores assumidos coletivamente pelo Estado. Possibilidade que a “democracia iliberal” de V. Orban não assegura.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.