Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Francisco Sarsfield Cabral
Opinião de Francisco Sarsfield Cabral
A+ / A-

Combater a inflação

11 abr, 2022 • Opinião de Francisco Sarsfield Cabral


Aliviar pessoas e empresas não elimina o custo da inflação para a economia dos países, apenas redistribui esse custo de forma diferente. As medidas que envolvem menos reflexos negativos são os apoios diretos aos rendimentos das pessoas e das empresas.

Perante um forte surto inflacionista, os governos, incluindo o português, procuram atenuar os efeitos da alta dos preços no poder de compra das famílias e nas finanças das empresas. Mas esta intervenção de emergência, que é justa, não combate a inflação.

Aliviar pessoas e empresas não elimina o custo da inflação para a economia dos países, apenas redistribui esse custo de forma diferente. O dinheiro do Estado envolvido nesses alívios irá fazer falta; algumas despesas públicas – incluindo despesas sociais e investimento público – poderão ter que ser cortadas. Também existe a hipótese de aumentar impostos, uma possiblidade que não é aconselhável em Portugal, pois entre nós a carga fiscal atingiu em 2021 um máximo histórico.

Indexar os salários à inflação é uma medida de que se fala. Só que a experiência mostra que a indexação eterniza a alta dos preços, entrando-se numa espiral inflacionista, uma vez que fortalece as expectativas das pessoas nesse sentido. Por isso A. Costa insistiu que a presente inflação é “conjuntural e transitória”, procurando evitar expectativas inflacionistas.

Por outro lado, importa ter presente o modo como certas medidas influenciam positiva ou negativamente o comportamento dos consumidores. Baixar o custo dos combustíveis, descendo os impostos que representam mais de metade do seu preço, não induz a poupar petróleo e pode atrasar a transição energética para fontes de energia não poluentes.

Por isso as medidas de atenuação dos efeitos da alta de preços no poder de compra das famílias e nas finanças das empresas que envolvem menos reflexos negativos são os apoios diretos aos rendimentos das pessoas e das empresas. O Governo já anunciou várias. Outras serão necessárias.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Correcto?
    12 abr, 2022 Deve ser. deve 13:02
    Uma coisa que fico à Espera para ver: os aumentos para a Função Pública, são indexados à taxa de inflação do ano anterior. Este ano, foram de 0,09%, apesar de a inflação ter quadruplicado esse valor. Então para o ano, a Função Publica pode esperar aumentos de 5,7%, tx de inflação deste ano, correcto?