Emissão Renascença | Ouvir Online
Francisco Sarsfield Cabral
Opinião de Francisco Sarsfield Cabral
A+ / A-

​A Ucrânia e as políticas nacionais

09 mar, 2022 • Opinião de Francisco Sarsfield Cabral


A crise da Ucrânia não ditou apenas alterações na cena internacional. Em vários países a crise está a ter efeitos no plano nacional.

A crise provocada pela invasão russa da Ucrânia está a provocar importantes alterações na política internacional. Mas não só: as políticas nacionais em vários países registam mudanças que resultam daquela crise. Vejamos três exemplos.

Começando por Portugal, a posição do PCP face à invasão da Ucrânia suscitou reações de estranheza e repulsa da parte de muita gente que, até aqui, dava, pelo menos, o benefício da dúvida às opções dos comunistas em matéria de democracia.

Curiosas, também, são as tentativas de algumas pessoas de esquerda para defenderem a posição do PCP. É assim que surgem elogios à capacidade do PCP para assumir uma posição impopular; e alguns apontam a coerência de um partido centenário que ousa desafiar tudo e todos.

É estranho não repararem como tais elogios não estão longe daqueles que a extrema-direita usava para com a inflexível posição de Salazar, sobretudo em matéria colonial. Era o tempo do “orgulhosamente sós” e da recusa liminar de qualquer abertura quanto à descolonização. Viu-se como acabou.

Em França, onde, em abril, se realizam eleições presidenciais, Macron subiu nas sondagens, enquanto os candidatos de extrema-direita, Marine Le Pen e Éric Zemmour, desceram.

Putin financiava a extrema-direita europeia, que não lhe poupava elogios. Agora os políticos desta área pagam um preço político por essa proximidade.

Muito importante é o efeito da crise da Ucrânia na política interna dos Estados Unidos. Mike Pence foi vice-presidente de Trump e confirmou a vitória de Biden na eleição de 2020, suscitando a fúria de Trump. Pois Mike Pence pediu, há dias, aos republicanos que acabem com a mentira de aquela eleição ter sido “roubada” e acrescentou não haver espaço no partido republicano para “apologistas de Putin”.

Numerosos políticos republicanos declararam apoio aos ucranianos contra Putin. É certo que a Fox News ainda transmite comentários favoráveis a Putin; e que Trump acusa Biden de fraqueza, dizendo que, com ele na Casa Branca, Putin não se atreveria a invadir a Ucrânia. Mas pelo menos levantam-se algumas esperanças de que o partido republicano não continue inteiramente nas mãos de Trump.

Lembra o “Economist” que, caso Trump tivesse mesmo ganho as eleições presidenciais de 2020, provavelmente teria já tentado retirar os EUA da NATO.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • ADISAN
    09 mar, 2022 Mealhada 11:10
    Na verdade, Putin, com o seu hábil jeito (bem formado na arte de mentir) diz que "os Povos ucraniano e russo são irmãos", mas não tem qualquer repúdio em sacrificar os seus irmãos ucranianos até à morte lenta, única e simplesmente para ser ele dono e senhor de tudo. Que Deus livre qualquer humano de tais irmãos, qual cuco que, tendo nascido em ninho alheio, atira os verdadeiros filhos do ninho do mesmo ninho a baixo, a fim de sozinho receber os alimentos que os pais destes lhe acarretam de boa fé. Na minha opinião, a Srª Zellensky tem muita razão quando diz que, "se não travar-mos Putin, não haverá mais um lugar seguro no mundo". Não gostamos de guerra, mas há que enfrentá-la como ela tem de ser enfrentada. As fraquezas de uns fortalecem os outros (adversários).