Tempo
|
Francisco Sarsfield Cabral
Opinião de Francisco Sarsfield Cabral
A+ / A-

Travar a nova vaga de Covid-19

26 nov, 2021 • Opinião de Francisco Sarsfield Cabral


Com três semanas de atraso, aí estão as medidas para travar a atual vaga de infeções. A notável taxa de vacinação protege-nos. Noutros países europeus os negacionistas destacam-se pela negativa.

Depois de hesitações e de muita especulação, o Governo anunciou finalmente medidas para tentar travar a presente vaga de novas infeções por Covid-19. Nada que ponha em causa a recuperação da economia.

Muitas pessoas estavam nervosas, receando restrições mais drásticas. Falou-se mesmo em histeria descabida, pois os números da pandemia, embora sinalizando uma clara subida das infeções, estavam (e estão) muito abaixo daquilo que se registava há um ano.

Para a recente perturbação de muitos portugueses face à Covid-19 contribuiu a confusão em que, nas últimas semanas, caiu o discurso das autoridades de saúde sobre a matéria. Já sabíamos que a Direção Geral da Saúde planeia mal e comunica pior.

Mas agora o próprio António Costa demorou a perceber que as hesitações e as demoras em definir um novo rumo para a vacinação são suscetíveis de lhe custar votos em 30 de janeiro próximo.

Para o clima de nervosismo por causa dos avanços da Covid-19 contou, também, a multiplicação de crises nas urgências e noutras unidades hospitalares, suscitando dúvidas sobre a capacidade do Serviço Nacional de Saúde para se manter operacional.

Facto é que se perderam três semanas. Entretanto foram encerrados centros de vacinação, que tiveram depois de reabrir.

Espera-se agora vacinar os mais velhos com a terceira dose (reforço) até 19 de dezembro. Ora, como José Miguel Júdice apontou, quem for vacinado nesse último dia só fica protegido a 2 de janeiro, depois da quadra festiva do Natal e Ano Novo.

Portugal pode e deve orgulhar-se de ter uma altíssima taxa de vacinação, que nos protege dos piores malefícios da Covid-19.

Os negacionistas, que rejeitam as vacinas, são entre nós uma pequena minoria, felizmente. Mas minoria agressiva, que insultou aos berros o vice-almirante Gouveia e Melo e, também, o presidente da Assembleia da República, Ferro Rodrigues.

Os negacionistas são bem mais numerosos em países como a França ou os Países Baixos, democracias consolidadas.

E é chocante ver a brutalidade de algumas manifestações realizadas contra medidas para travar o avanço da pandemia. Manifestações que envolveram incendiar carros, partir montras de lojas e apedrejar a polícia.

A democracia portuguesa é imperfeita, mas tem mostrado mais maturidade no enfrentar da pandemia do que algumas democracias europeias que consideramos como referências.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.