Tempo
|
Francisco Sarsfield Cabral
Opinião de Francisco Sarsfield Cabral
A+ / A-

Ajudar os afegãos, apesar dos talibãs

23 ago, 2021 • Opinião de Francisco Sarsfield Cabral


Há anos que se acentuava o desastre humanitário no Afeganistão. Com a vitória dos talibãs, tudo se torna ainda mais difícil.

A surpreendente vitória dos talibãs no Afeganistão e a trágica situação junto ao aeroporto de Cabul levantaram um receio na Europa: o receio de que se repetisse uma grande invasão de refugiados, como aconteceu em 2015 com a crise na Síria.

Há seis anos A. Merkel começou por defender uma política de portas abertas aos refugiados, sendo depois obrigada a moderar essa abertura. Agora, Macron manifestou preocupação quanto a uma possível vaga de deslocados do Afeganistão.

A concretizar-se, uma tal vaga iria expor mais uma vez o falhanço da UE em matéria de asilo. Vários países comunitários, como a Hungria, reusam receber imigrantes. E os países membros da UE mais atingidos pela entrada de refugiados, que arriscam a vida no Mediterrâneo, não têm a solidariedade dos outros Estados no acolhimento a esses refugiados.

É o caso, nomeadamente, da Grécia, onde se situa o maior campo de refugiados do mundo. O resultado está em que os imigrantes mal sobrevivem aí, dadas as condições desumanas em que se encontra aquele mais do que sobrelotado campo.

Macron e outros políticos europeus receiam, também, o efeito de uma nova vaga de refugiados por causa do previsível impulso que ela daria aos partidos xenófobos, como o de Marine Le Pen. Esses partidos farão campanha agitando o fantasma dos refugiados como uma ameaça.

Não parece provável que a tal grande vaga se concretize, até porque os talibãs não deverão facilitá-la. Um outro problema de ordem humanitária se levanta no Afeganistão.

António Vitorino, diretor-geral da Organização Internacional das Migrações (entidade integrada na ONU) disse em entrevista à SIC Notícias que antes da saída dos militares americanos se registava no Afeganistão uma intensa migração interna e alguma saída para o estrangeiro. No Paquistão já se encontram cerca de um milhão e 400 mil afegãos e no Irão 780 mil. Daí que Merkel tenha alertado para a necessidade de apoio europeu aos países vizinhos do Afeganistão.

O problema é que, segundo referiu A. Vitorino, cerca de dez milhões de afegãos, um terço da população, vivem à beira da fome, não sabendo se amanhã terão comida. Este desastre humanitário já existia antes da saída das tropas da NATO, mas certamente que essa saída agrava o problema.

Em 2015 os países ocidentais suspenderam o auxílio humanitário aos sírios. Ora o mesmo não pode agora acontecer com os afegãos, por muito que sejam detestáveis as atitudes dos talibãs, os quais poderão impedir ou dificultar a atividade no país dos elementos das organizações internacionais. E não haverá muito tempo para socorrer os afegãos – no inverno o país ficará intransitável.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • paz peixoto
    26 ago, 2021 çisboa 16:33
    Hipocritas, desumanos. Bem pior do que no Vietname; aí os Vietcong foram avançando passo a passo. Pior a USA.Seguem-se a Nato, a UE.etc Desde Obama que se previa uma ecatombe. Aos americanos sobra-lhe em logistica de guerra no entanto repetem o slogan de sempre: America first
  • Desabafo Assim
    23 ago, 2021 Porto 22:34
    Não seria preferível criar condições nos seus territórios em vez de campos de refugiados sem dignidade nem condições? (Como se fosse possível tal coisa ao simples Homem).
  • Ivo Pestana
    23 ago, 2021 Madeira 14:10
    Ajudar sim, impor a cultura ocidental, não. Eles não querem isso. Fazer pontes, saber lidar e respeitar as culturas da região. Agora é tempo para a diplomacia...