Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Francisco Sarsfield Cabral
Opinião de Francisco Sarsfield Cabral
A+ / A-

Tentar perceber

Turquia: regresso ao Islão

15 abr, 2017 • Francisco Sarsfield Cabral • Opinião de Francisco Sarsfield Cabral


Apagando o Estado laico legado por Ataturk, Erdogan será um ditador islâmico se ganhar o referendo.

No domingo de Páscoa realiza-se na Turquia um referendo sobre os poderes do Presidente da República. Desta consulta poderá resultar não só um enorme reforço dos poderes presidenciais (além do mais, o Presidente da República passará a chefiar o governo) como um importante passo no sentido de islamizar um país que nasceu agressivamente laico.

A república turca tem menos de um século – foi oficialmente proclamada em 1923. O seu primeiro presidente e líder do movimento nacionalista, contra o poder otomano, foi um herói militar que combateu os britânicos na I Guerra Mundial, Kemal Ataturk. O grande objectivo de Ataturk, além da independência, era fazer da Turquia um Estado laico, moderno e democrático. Ou seja, um país parecido com as potências ocidentais.

Foi então criminalizado o uso do véu islâmico, as mulheres ganharam direitos que o regime muçulmano do império otomano não lhes concedia, etc. Os militares, que desempenharam um papel activo (e nem sempre democrático) na vida política turca, assumiram-se como os guardiões dos ideais de Ataturk, combatendo qualquer interferência islâmica na vida pública e privada do país. Assim tentaram justificar várias intervenções – golpes de Estado – na política turca.

Aproximação a Ocidente

Entretanto, em 1952 a Turquia aderiu à NATO. E as suas forças armadas tornaram-se as segundas mais importantes da Aliança, logo depois dos militares americanos. A Turquia foi um elemento crucial na guerra fria.

No plano económico a aproximação ao Ocidente traduziu-se num pedido de adesão à CEE logo em 1959, que não teve seguimento. Mas quatro anos depois conseguiu um acordo de associação à CEE, pouco depois de a Grécia, inimigo histórico da Turquia, ter obtido um acordo desse tipo.

Mas enquanto a Grécia entrou para a CEE em 1961, a Turquia voltou a pedir a adesão a União Europeia (sucessora da CEE) em 1987, tendo as negociações começado formalmente em 2015. Não foram negociações de boa-fé, porque muitos e importantes dirigentes políticos europeus não queriam que a Turquia entrasse na UE. Mesmo assim, e como condição para o prosseguimento das negociações, a Turquia aceitou várias exigências da UE, nomeadamente em matéria de direitos humanos. Por exemplo, aboliu a pena de morte, que Erdogan quer agora reintroduzir.

Hoje ninguém acredita que a Turquia entre no futuro previsível na UE. A frustração que muitos turcos “europeístas” sentem terá facilitado a viragem de Erdogan para o mundo muçulmano.

A evolução de Erdogan

Erdogan parecia um islâmico moderado e democrático quando, tendo o seu partido ganho as eleições, em 2003, se tornou primeiro-ministro. Ao longo de 11 anos à frente do governo de Ankara, capital da Turquia, Erdogan foi-se mostrando gradualmente mais autoritário e mais favorável à religião muçulmana na vida pública do país. Para isso combateu a influência política dos militares, que no passado “laico” quase não obedeciam ao governo, tendo até um orçamento específico, votado por eles próprios.

Há dois anos parecia encaminhado um processo de paz com os curdos da Turquia. Mas o processo parou, provavelmente para Ankara agradar aos nacionalistas turcos. Assim, sendo Erdogan um adversário do ditador sírio Bashar al-Assad, as tropas turcas empenharam-se sobretudo em atacar os curdos do Norte do Iraque, os “peshmerga”, grandes combatentes contra o “Estado Islâmico” e as forças de Assad. O terrorismo curdo reapareceu na Turquia.

A caminho do poder total

Eleito presidente da República em 2014, Erdogan logo começou a manobrar para tornar o cargo de meramente representativo e protocolar em chefe do executivo. Se ganhar o referendo, Erdogan será todo-poderoso.

A via repressiva e autoritária em que entrou Erdogan foi reforçada em Julho passado com uma tentativa abortada de golpe de Estado. A partir daí, multiplicaram-se as prisões, os saneamentos, as purgas (incluindo de militares de alta patente), os encerramentos de meios de comunicação social, etc. A democracia recua e recuará ainda mais se Erdogan ganhar o referendo.

Erdogan e os seus apoiantes atribuem o falhado golpe de Estado de Julho a um grupo religioso e social, dirigido desde 1999 a partir dos Estados Unidos por um antigo aliado do presidente, o erudito islâmico Fethullah Gullen. O presidente e governo turcos têm reclamado a extradição de Gullen para a Turquia, mas até agora, pelo menos, Trump não lhes fez a vontade.

Este grupo parece, de facto, ter grande influência em vários sectores da vida turca. Mas, ao certo, não se conhece o seu papel, se o teve, na tentativa de golpe. Tudo indica que esse golpe falhado foi um pretexto para uma “caça às bruxas” em larga escala lançada por Erdogan, eliminando o maior número possível de inimigos.

Se o presidente ganhar o seu referendo, a democracia dará um passo atrás na Turquia. E depois, como será a posição deste país na NATO?

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • António Costa
    16 abr, 2017 Cacém 10:00
    A Inglaterra e Irlanda do Norte estão a tentar fazer a Paz, através de um Difícil caminho. Em Chipre a minoria turca não foi capaz de viver com Leis Cristãs e a Turquia expulsou a comunidade grega do Norte da ilha de Chipre. No norte da Ilha foi criada uma "republica" para onde se deslocou a comunidade turca da ilha e outros turcos que vieram da Turquia. Com as carnificinas que se seguiram às Primaveras Árabes, ficamos que o Islão é incompatível com a Democracia. O Islão é um sistema Político-Religioso baseado na "Submissão" total ao Chefe. Para o Islão a Democracia é uma Aberração. O que se passa na Turquia diz respeito à Europa. O que se passa com "Putin" na Rússia, diz respeito à Europa. O que se passa nos EUA diz respeito à Europa. Ignorar Hitler, nos anos 30, do séc. XX levou SÓ à II Grande Guerra.
  • Vasco
    15 abr, 2017 Santarém 21:59
    O assunto diz respeito aos turcos e espero que os europeus tenham a inteligência suficiente para não se intrometerem no caso, quanto a integração na UE também aqui há que saber manter as distâncias e portanto deixar os turcos no seu mundo e à sua maneira, espero que a derrocada das Primaveras árabes tenha servido bem de lição aos europeus e que saibam reavaliar a cota parte das culpas em tal chacina humana.
  • MASQUEGRACINHA
    15 abr, 2017 TERRADOMEIO 13:48
    O problema do "estado laico" de Ataturk é, em boa medida, o mesmo dos "estados laicos" de tipo ocidental - sendo que o caso grego é o mais ilustrativo. Somos formalmente estados sem religião oficial, em que se é livre de praticar o credo que bem se entenda, nos limites da legalidade. E existe uma religião maioritária, o que é inegável e historicamente natural. O que já não é tão natural, nem coerente, é que essa religião maioritária intervenha sistematicamente em assuntos do e de estado. A linha da aceitável carga histórica e cultural é demasiadas vezes ultrapassada - e nem sempre por estrita defesa do dogma religioso, como ficou, por exemplo, bem patente em Portugal, no caso do financiamento aos colégios privados. Quanto à Turquia, Ataturk sabia bem que islamismo e estado laico são realidades inconciliáveis, sejam os crentes moderados ou não, pelo que tentou garantir a laicidade não só pela gestão social da moderação, mas sobretudo pela força, leia-se fidelidade vigilante do exército. Mas a fé move montanhas, e seria apenas uma questão de tempo até a verdadeira natureza do Islão ressurgir, como sistema integrado e inescapável de vida que é, socio-político-religioso, e deixar de fingir que é apenas mais uma religião, que consegue contra-natura "evoluir" ou "integrar-se" num sistema demo-liberal. E enquanto não interiorizarmos isto, a verdadeira natureza integral do Islão, continuaremos sem perceber as Turquias deste mundo, nem a barbárie que ameaça destruir-nos por dentro.
  • António Costa
    15 abr, 2017 Cacém 11:45
    "....o ditador turco impôs ao seu povo, sob pena de morte, de se vestir á europeia..." de O Principezinho , de Antoine de Saint-Exupéry. Posso também dizer, pelo que li da época, que alguns turcos (poucos), que na época se recusaram a abandonar o "fez"( pequeno "gorro" turco) foram sumariamente executados. O "...fazer da Turquia um Estado laico, moderno e democrático". Democrático? As pessoas tinham de obedecer às ordens que vinham da Mesquita. Desobedecer às ordens da Mesquita, significa ser-se "inimigo de Deus" e a condenação é a Morte. Hoje como no tempo de Kemal Ataturk. Agora "...fazer da Turquia um Estado laico e moderno..." sim, substituiu as Leis "Islâmicas" por Leis "Francesas". Mas enquanto em França as Leis "vinham" da sociedade, criadas através de um lento processo, na Turquia a "Democracia ficou na gaveta". O cidadão "comum" limitava-se a seguir as "ordens da Mesquita". A Turquia era uma ditadura, porque Democracia significa "Livre Escolha", e não "Repetir Regras". Com Mustafa Kemal Atatürk só as "roupas mudaram" Francisco Sarsfield Cabral. Só e Apenas as roupagens. O essencial ficou na mesma. A Turquia continuou uma ditadura islâmica, apenas "vestida à europeia". Se mesmo na Renascença, não entendem isso, se os pastores não defendem as ovelhas, ficamos apenas com um rebanho à mercê dos lobos......