Tempo
|
Fernando Medina-João Taborda da Gama
O presidente da Câmara de Lisboa e um professor universitário (especialista em direito fiscal) a viver na capital olham para os principais temas da atualidade.
A+ / A-
Arquivo
Fernando Medina e João Taborda da Gama - Covid-19 em migrantes e reabertura da praia - 23/04/2020

T. da Gama

“Antes da praia é preciso perceber os negócios que vão reabrir”

23 abr, 2020 • Marta Grosso , Anabela Góis (moderação do debate)


João Taborda da Gama e Fernando Medina comentam os casos de infeção pelo novo coronavírus num hostel de Lisboa e a reabertura anunciada da praia, com regras.

Fernando Medina e João Taborda da Gama são unânimes em considerar prematura a definição de regras para a utilização da praia.

“Antes da praia, é preciso perceber os negócios e os serviços que vão reabrir e que protocolo sanitário devem ter. Isso é que me preocupa”, afirma Taborda da Gama nesta quinta-feira.

No seu entender, “falta uma estratégia coordenada” sobre a reabertura da sociedade e “dá um pouco a ideia de que ninguém sabe o que se vai fazer”.

“Preocupa-me as agências bancárias, os escritórios, os serviços de atendimento ao público e gostava ver uma coisa integrada sobre isso, mais do que estar aos bochechos” a anunciar medidas, remata, acrescentando: “há-de se resolver a praia”.

Fernando Medina concorda que “é prematuro” falar em reabertura da praia, uma vez que “há questões fundamentais de como se vai fazer a reabertura” da atividade económica e não só.

“O primeiro-ministro já anunciou de algum tipo de comércio de proximidade, depois as escolas de ensino presencial para os anos terminais, 11.º e 12.º ano, e a tentativa de abertura das creches a partir de junho”, recorda o presidente da Câmara de Lisboa, medidas “nas quais se está a trabalhar, o que vai implicar também um tratamento diferente da questão dos transportes públicos, que estamos a trabalhar com o Governo para que possam funcionar com condições reforçadas de segurança”.

Fernando Medina sublinha para a importância da consciência individual de cada cidadão no pós-2 de maio.

“Volto a repetir: a grande chave desta fase é percebermos que isto não acabou”.

“Vamos entrar numa fase muito mais difícil de gerir. Ficar em casa é uma mensagem muito simples; ficar na rua, com uma atividade mais normal, mantendo sempre alerta a proteção individual e a proteção dos outros é muito mais exigente para os comportamentos de cada um”, sublinha.

“O estado de emergência é um estado formal, vírus continua cá e vai continuar a expandir-se”, reforça.

Sobre a existência de vários migrantes em Portugal com Covid-19, que estavam alojados num hostel de Lisboa, o autarca diz que houve muita informação menos correta “veiculada no início” e que o espaço, bem como a zona envolvente, está a ser desinfestada.

“São pessoas que chegaram, não por via dos canais de diálogo governamental relativamente aos refugiados – porque esses são devidamente acompanhados – mas que chegam em diferentes circunstâncias e que requerem asilo e estão a aguardar resposta. Estão de certa forma à guarda do SEF, sabe-se quem são e onde estão e é o próprio serviços que assegura esse acolhimento até que a sua situação seja clarificada”, explica Fernando Medina.

João Taborda da Gama alerta que “é preciso muito cuidado a lidar com situações que envolvam refugiados para que não haja xenofobias em cima de uma situação de pânico”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.