Explicador Renascença
As respostas às questões que importam sobre os temas que nos importam.
A+ / A-
Arquivo
O que fica da visita de Zelensky a Portugal?

O que fica da visita de Zelensky a Portugal?

29 mai, 2024 • André Rodrigues


Fazemos o balanço do que fica dos encontros entre Zelensky, o primeiro-ministro e o Presidente da República.

No rescaldo da visita do presidente ucraniano a Portugal, fazemos o balanço do que fica dos encontros entre Zelensky, o primeiro-ministro e o Presidente da República.

Afinal, o que é que Portugal vai oferecer à Ucrânia?

No imediato, o mesmo é dizer durante este ano, Portugal avança com uma ajuda militar no valor de 126 milhões de euros. No entanto, desse montante, só 26 milhões é que são da responsabilidade do atual Governo.

Como assim?

 É que, na verdade, os outros 100 milhões de apoio à Ucrânia com que Portugal se comprometeu fazem parte fazem parte de um pacote de ajuda por iniciativa da República Checa para o fornecimento de munições à Ucrânia. Esse valor, esses 100 milhões de euros, foram aprovados pelo anterior Governo - quando estava, já, em fase gestão - e foram pagos no passado mês de março.

Os outros 26 milhões, esse sim, são da responsabilidade do atual Governo, através da contribuição do Estado português para o Mecanismo Europeu de Apoio à Paz.

Mas 126 milhões para quê?

Essencialmente, para treino das forças de segurança e de defesa ucranianas e equipamento militar. No texto do acordo pode ler-se que Portugal irá fornecer equipamento militar, incluindo através de cooperação industrial, armamento, equipamento e bens de defesa.

Por exemplo, carros de combate Leopard 2, drones, veículos blindados de transporte de pessoal e de socorro.

Estão, também, previstos programas de formação para pilotos ucranianos, manutenção de aeronaves e, ainda, apoio para a reconstrução do país.

Quanto tempo dura este entendimento?

Pelo menos 10 anos que Luís Montenegro admite que podem ser renovados. Apesar de, tecnicamente, este ser um acordo não vinculativo, Portugal garante apoio inabalável a Kiev. Um apoio que, citando o primeiro-ministro Luís Montenegro, não se resume meramente a euros.

De resto, em termos proporcionais, o apoio militar de Portugal à Ucrânia é bastante inferior ao de outros países, como a Espanha ou a Bélgica que avançam com apoios iguais ou superiores a mil milhões de euros.

A aposta portuguesa neste entendimento passa, sobretudo, pela diplomacia, através do apoio às aspirações da Ucrânia na adesão à União Europeia e à aproximação à NATO.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.