Explicador Renascença
As respostas às questões que importam sobre os temas que nos importam.
A+ / A-
Arquivo
Por que é que tantos portugueses não confiam nos políticos?
Ouça o Explicador Renascença

Explicador Renascença

Por que é que tantos portugueses não confiam nos políticos?

04 mar, 2024 • André Rodrigues


Além disso, 83% dos portugueses não confiam na sua capacidade de participação na política, porque entendem que o sistema não permite que os cidadãos influenciem as decisões.

Cerca de 80% dos cidadãos portugueses não confiam nos partidos e mais de 60% desconfiam da Assembleia da República.

São dados do Inquérito Social Europeu que a Pordata recuperou esta segunda-feira, a menos de uma semana das eleições Legislativas portuguesas.

O Explicador Renascença olha para estes dados e esclarece o que influencia esta desconfiança

Qual é a explicação?

Desde logo, um sentimento de degradação da Democracia por parte dos cidadãos. E, de acordo com especialistas, essa perceção resulta de algo mais profundo, porque tendemos a confiar mais nas instituições, quanto mais confiarmos uns nos outros.

Esse é um problema em Portugal: a confiança interpessoal é reduzida. O que acaba por refletir-se na perceção do desempenho das entidades públicas.

Em que é que pessoas mais sentem essa degradação?

Sobretudo, nas condições sociais e económicas dos últimos anos. Os problemas em setores como a Educação, a Habitação, o aumento generalizado do custo de vida.

São exemplos que refletem a perceção generalizada de que as pessoas sentem que estão a viver pior. E ainda que, por vezes, isso não seja responsabilidade direta dos políticos, a população tende a responsabilizar os decisores por aquilo que mais as afeta no seu dia a dia.

Na média europeia, como estamos?

Estamos acima. Logo, estamos pior. Mais de 60% dos cidadãos em Portugal tendem a não confiar na Assembleia da República. A média europeia é de 56%.

Por outro lado, este relatório da Pordata indica que oito em cada 10 inquiridos em Portugal tendem a não confiar nos partidos políticos. Essa é a tendência em 19 dos 27 países da União Europeia.

Além disso, 83% dos portugueses não confiam na sua capacidade de participação na política, porque entendem que o sistema não permite que os cidadãos influenciem as decisões.

Neste capítulo, estamos alinhados com países como a Letónia ou a República Checa.

Já que estamos na comparação com os parceiros europeus, há um dado curioso: 54% dos inquiridos em Portugal tendem a confiar na União Europeia. A média dos 27 estados-membros é de 47%. Ou seja, desconfiamos dos políticos portugueses, mas tendemos a confiar nas instituições europeias.

Os portugueses têm interesse nos temas políticos?

Esse é o lado curioso deste estudo. Os portugueses, tal como os italianos, são os europeus que mais tempo passam a ver, ouvir ou ler notícias sobre política. Em média mais de duas horas por dia. E quatro em cada 10 pessoas dizem manifestar muito ou algum interesse sobre o tema.

Só que, e aqui outra contradição aparente, cerca de um terço dos portugueses dizem que nunca falam sobre política com amigos ou familiares. Só 10% dizem que discutem política cmo frequência, muito abaixo dos 25% da média europeia.

Quais são as exceções?

Sem surpresa, Noruega, Suíça, Finlândia, Islândia e Países Baixos.

E porquê? Porque são os países onde se considera que os sistemas políticos permitem às pessoas algum grau de influência.

Somos mais de esquerda ou de direita?

28% mais à esquerda, 19% mais à direita. 31% ao centro.

16% dos inquiridos não souberam responder a esta questão. 6% recusaram fazê-lo.

Governo alivia restrições ao consumo de água. A seca desagravou?
Portugal vai reconhecer a Palestina?
Professores. Por que é que há sindicatos que não aceitaram o acordo do Governo?
O que diz o acordo entre professores e o Governo?
Por que é que o Tribunal Penal Internacional pede mandado de captura a Netanyahu?
Quais são as novas regras das transferências bancárias?
Visita "Ad Limina": o que é e em que consiste?
Devia Aguiar-Branco ter reprimido Ventura no Parlamento?
Cristo Rei faz 65 anos. O que sabemos sobre este monumento?
O que esperar do acordo para reduzir o valor do IRS?
Afinal, o Papa vai ou não a Niceia?
O que motivou o ataque ao primeiro-ministro da Eslováquia?
Risco de pobreza aumentou em 2023. Quem são as famílias em maior risco?
Aeroporto Luís de Camões. É desta que a obra é feita?
Porque vai a eletricidade ficar mais cara em junho?
Os Super Dragões terão ficado com bilhetes para benefício próprio?
Hospitais com falhas em medicamento usado para tratar cancro. O que está a ser feito?
Como aceder ao complemento solidário para idosos?
Subida de 50 euros no CSI. Quando é que idosos começam a receber os aumentos?
Por que é que estão a aumentar os casos de tosse convulsa?
Jovens com direito à devolução de propinas devem fazer IRS?
Afinal o acordo de rendimentos do anterior Governo é mesmo para cumprir. O que significa?
José Castelo Branco detido pela GNR. O que se sabe até agora?
Afinal, o Sporting tem 20 ou 24 campeonatos?
Quanto recebem os eurodeputados fora do Parlamento Europeu?
O que é o crime de "traição à pátria" de que Marcelo pode ser acusado pelo Chega?
Quem é o jovem português que incentivava e coordenava massacres online?
Fim do pagamento das ex-SCUT vai avançar? Ou Governo avança com lei travão?
Portagens vão ser eliminadas nas ex-Scut?
Excedente em janeiro passou a défice em março. O que aconteceu?
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.