Tempo
|
Explicador Renascença
As respostas às questões que importam sobre os temas que nos importam.
A+ / A-
Arquivo
Por que é que as televisões recusaram debates com Nuno Melo a representar a AD?
Ouça o Explicador Renascença

Explicador Renascença

Por que é que as televisões recusaram debates com Nuno Melo a representar a AD?

09 fev, 2024 • André Rodrigues


As regras das televisões dizem que só podem ir a debate líderes de formações partidárias com representação na Assembleia da República.

Há uma polémica com os debates dos candidatos às eleições legislativas a 10 de março.

Tudo porque a Aliança Democrática (AD) pretendia que o líder do CDS-PP, Nuno Melo, fosse o representante da coligação nos debates com PCP e Livre, em vez de Luís Montenegro.

No entanto, as televisões já negaram essa possibilidade. O Explicador Renascença refere o que está em causa.

O que se passa?

Tudo começa com Luís Montenegro a dizer que não vai aos debates com Paulo Raimundo - agendado para este sábado na RTP - e com Rui Tavares - marcado para dia 17 de fevereiro, na TVI.

Em alternativa, a AD propõe que seja Nuno Melo a ir aos debates, com o argumento de que a coligação tem dois líderes partidários.

Além disso, a direção de campanha da AD lembra que, em 2015, Passos Coelho foi substituído por Paulo Portas - na altura líder do CDS - que, no debate com a CDU, esteve frente a frente, não com Jerónimo de Sousa, do PCP, mas com Heloísa Apolónia do partido Os Verdes.

Se isso foi possível nas eleições de 2015, porque não agora?

Porque Nuno Melo é líder do CDS que, atualmente, não tem assento parlamentar.

As regras fixadas entre os candidatos e as três televisões - RTP, SIC e TVI - são claras: só podem ir a debate líderes de formações partidárias com representação na Assembleia da República.

Porquê?

Por razões editoriais, mas também do ponto de vista legal.

Como assim?

O caso é complexo, mas a explicação é simples. Suponhamos que o líder do CDS vai ao debate com Paulo Raimundo. A primeira questão que se coloca é se o PCP envia o seu secretário-geral ou qualquer outro dirigente.

Mas isso é um detalhe. O problema pode estar no seguinte: é que um partido mais pequeno, sem representação parlamentar - o CDS não tem, nesta altura, deputados na Assembleia da República - podia sentir-se discriminado e interpor uma providência cautelar num tribunal administrativo.

É a probabilidade dessa providência cautelar ser aceite, com base no facto de ter estado em debate um partido que não tem representação parlamentar, é mesmo real e as televisões não querem abrir um precedente que ponha em causa este modelo de debate.

E no caso das europeias, este problema também se coloca?

Aí já não. Porque o CDS está representado no Parlamento Europeu.

Portanto, nesse caso, a AD pode levar a debate um representante do CDS. Ou seja, pode haver alternância entre PSD e CDS.

O que dizem os partidos?

Pedro Nuno Santos ironiza: diz que aceita fazer mais um debate, desde que seja com os líderes do 3 partidos da AD - PSD, CDS e PPM - desde que o tempo seja igual para todos.

De resto, todos os outros partidos defendem que a presença de Luís Montenegro é a única solução razoável e acusam o líder social-democrata de ter medo dos debates.

Argumento que Luís Montenegro tem, insistentemente, rejeitado.

O líder do PS já aceita um novo debate na rádio?

O que muda é a disponibilidade de Pedro Nuno Santos, depois de, num primeiro momento, ter rejeitado um frente a frente com Luís Montenegro.

As quatro rádios - Renascença, Antena 1, Observador e TSF - renovaram o convite aos líderes dos dois principais partidos que, caso aceitem, irão a debate a 22 de fevereiro, um debate transmitido em simultâneo pelas quatro rádios.

"Autobaixas" estão em alta. Está tudo a ficar doente?
O segundo ciclo deve continuar ou acabar?
A Europa está a preparar-se para entrar em guerra com a Rússia?
Como funciona o voto antecipado?
Como é que devo validar as minhas faturas?
Como evitar burlas no arrendamento de casas?
O que é que causou o incêndio que consumiu prédio em Valência?
Quais são os problemas no atendimento ao cidadão?
Quem vai estar dispensado de preencher o IRS?
Por que é que o sarampo se está a propagar rapidamente?
Julian Assange vai ser extraditado para os EUA?
Protesto dos polícias no Capitólio foi autorizado?
Missão militar europeia no Mar Vermelho. Quais são os meios e os objetivos?
O que é que fez o endividamento das famílias quadruplicar desde 2015?
Morreu Alexei Navalny. O que se sabe até agora?
Julgamento de suspeito do rapto de Maddie McCann está relacionado com o caso?
Madeira. O que é que vai acontecer agora que os três detidos foram libertados?
Já é possível ter o cartão de cidadão e a carta de condução no telemóvel. Como é que funciona?
Vai ser possível consultar online as declarações de rendimentos e património dos políticos. Que plataforma é esta?
A Meta vai limitar o acesso a sugestões de conteúdo político nas redes sociais. O que é que isto significa?
Presencial, correspondência ou antecipado. Como votar nas eleições legislativas?
Abandono escolar aumenta em Portugal. Porquê?
Por que é que há bancos a bloquear as contas dos clientes?
Baixas médicas e fim de grupo operacional. O que se passa na PSP?
A PSP está a investigar a própria PSP por suspeitas de fraude?
Quem é o pirata português procurado nos EUA?
Existe uma relação contratual entre um estafeta e a Uber Eats?
Dengue deixa Rio de Janeiro em estado de emergência. A culpa é do mosquito?
Os protestos dos polícias podem impedir as eleições legislativas?
O que sabemos da manifestação anti-Islão?
Cessar-fogo à vista. Aproxima-se o fim da guerra entre Israel e Hamas?
Agricultores protestam e cortam estradas em Portugal. Porquê?
Telecomunicações mais caras. Por que é que os preços voltam a aumentar?
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.