Tempo
|
Explicador Renascença
As respostas às questões que importam sobre os temas que nos importam.
A+ / A-
Arquivo
Existe uma relação contratual entre um estafeta e a Uber Eats?
Ouça o Explicador Renascença

Explicador Renascença

Existe uma relação contratual entre um estafeta e a Uber Eats?

06 fev, 2024 • André Rodrigues


Foram realizadas mais de 800 fiscalizações para reconhecimento de contratos de trabalho, que foram encaminhadas para o Ministério Público.

O Tribunal do Trabalho de Lisboa entende que existe uma relação contratual entre um estafeta e a Uber Eats.

É uma decisão histórica que segue na sequência da entrada em vigor da nova lei de presunção de laboridade nas plataformas digitais.

O Explicador Renascença refere o que isto significa e o que pode mudar, a partir de agora.

O que diz esta decisão?

Antes de mais, importa contextualizar. Esta lei de presunção de laboralidade nas plataformas digitais entrou em vigor a 1 de maio do ano passado e determina a existência de um contrato de trabalho entre uma plataforma digital e um estafeta sempre que sejam preenchidos vários critérios, como a fixação de um salário, o poder de direção, o controlo e a supervisão, a organização do trabalho e o poder disciplinar da plataforma digital.

Ora, perante o caso concreto de um estafeta da Uber Eats, o Tribunal do Trabalho de Lisboa entende que esses requisitos estão preenchidos e determina que esta pessoa seja considerada como trabalhador por conta de outrem e não trabalhador a recibos verdes.

Que direitos é que passa a ter?

Se a empresa decidir integrá-lo, passa a ter o tratamento que o Código do Trabalho prevê para todos os trabalhadores por conta de outrem.

A sentença tem data de 1 de fevereiro. É considerada histórica, porque representa, na prática, a aplicação da lei de presunção da laboralidade nas plataformas digitais.

A Uber Eats pode recorrer?

Sim. Aliás, como acontece com qualquer decisão judicial de primeira instância. Mas ainda não o fez.

Porquê?

Num esclarecimento por escrito enviado à Renascença, fonte oficial da Uber diz que a empresa "não foi notificada, nem ouvida em relação a este caso" e que, nesse sentido, "o direito de defesa não lhe foi garantido".

Na mesma nota, a Uber conclui, por isso, que esta decisão do Tribunal do Trabalho de Lisboa "muito provavelmente não terá efeito".

Por outro lado, acrescenta, "as alterações à lei não beneficiaram os estafetas e, em vez disso, estão a gerar incerteza em todo o setor e entropia junto dos tribunais".

Mas como surgiu este caso?

Foi desencadeado após uma ação inspetiva realizada a nível nacional pela Autoridade para as Condições do Trabalho.

Foram realizadas mais de 800 fiscalizações para reconhecimento de contratos de trabalho, que foram encaminhadas para o Ministério Público e deram origem a mais de uma centena de processos contra as plataformas digitais Glovo e Uber Eats.

O que muda com esta decisão?

Embora esta seja uma sentença relativa a um caso concreto, aqui aplica-se o princípio da jurisprudência.

Se o Tribunal do Trabalho de Lisboa reconheceu a existência de um contrato de trabalho entre um estafeta e uma plataforma digital, é altamente provavelmente que essa decisão possa ser replicada nos outros processos que estão, nesta altura, a ser apreciados. Portanto, este caso funciona como uma espécie de auxiliar de interpretação da nova lei.

Seja como for, no esclarecimento remetido à Renascença por fonte oficial da Uber pode ler-se que "os estafetas já deixaram claro que querem manter a sua independência e a liberdade para usarem as plataformas digitais quando, como e onde quiserem".

"Do nosso lado, continuaremos a defender que a flexibilidade que os estafetas procuram deve ser preservada e que é compatível com direitos e proteções a que todos os trabalhadores, independentemente do seu estatuto, devem ter acesso", conclui o esclarecimento.

Notícia atualizada às 17h20 com os esclarecimentos da Uber remetidos à Renascença

O que é que causou o incêndio que consumiu prédio em Valência?
Quais são os problemas no atendimento ao cidadão?
Quem vai estar dispensado de preencher o IRS?
Por que é que o sarampo se está a propagar rapidamente?
Julian Assange vai ser extraditado para os EUA?
Protesto dos polícias no Capitólio foi autorizado?
Missão militar europeia no Mar Vermelho. Quais são os meios e os objetivos?
O que é que fez o endividamento das famílias quadruplicar desde 2015?
Morreu Alexei Navalny. O que se sabe até agora?
Julgamento de suspeito do rapto de Maddie McCann está relacionado com o caso?
Madeira. O que é que vai acontecer agora que os três detidos foram libertados?
Já é possível ter o cartão de cidadão e a carta de condução no telemóvel. Como é que funciona?
Vai ser possível consultar online as declarações de rendimentos e património dos políticos. Que plataforma é esta?
A Meta vai limitar o acesso a sugestões de conteúdo político nas redes sociais. O que é que isto significa?
Presencial, correspondência ou antecipado. Como votar nas eleições legislativas?
Por que é que as televisões recusaram debates com Nuno Melo a representar a AD?
Abandono escolar aumenta em Portugal. Porquê?
Por que é que há bancos a bloquear as contas dos clientes?
Baixas médicas e fim de grupo operacional. O que se passa na PSP?
A PSP está a investigar a própria PSP por suspeitas de fraude?
Quem é o pirata português procurado nos EUA?
Dengue deixa Rio de Janeiro em estado de emergência. A culpa é do mosquito?
Os protestos dos polícias podem impedir as eleições legislativas?
O que sabemos da manifestação anti-Islão?
Cessar-fogo à vista. Aproxima-se o fim da guerra entre Israel e Hamas?
Agricultores protestam e cortam estradas em Portugal. Porquê?
Telecomunicações mais caras. Por que é que os preços voltam a aumentar?
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.