Tempo
|
Explicador Renascença
As respostas às questões que importam sobre os temas que nos importam.
A+ / A-
Arquivo
Os protestos dos polícias podem impedir as eleições legislativas?
Ouça o Explicador Renascença

Explicador Renascença

Os protestos dos polícias podem impedir as eleições legislativas?

05 fev, 2024 • André Rodrigues


O futebol é a consequência mais imediata desta contestação em que os agentes da PSP exigem melhores condições salariais e a atribuição do suplemento de missão, à semelhança do que com a Polícia Judiciária.

Este fim de semana ficou marcado pelo cancelamento de jogos de futebol, por falta de forças de segurança necessárias para a realização do evento.

É o mais recente capítulo na onda de protestos que os polícias têm feito no último mês e que podem até colocar em causa as eleições.

O Explicador Renascença refere tudo o que ainda pode estar em causa.

Os polícias fizeram greve?

Não foi uma greve, mas o efeito foi em tudo semelhante. Na verdade, esta situação ficou a dever-se ao elevado número de baixas de agentes da PSP que estavam destacados para o policiamento da partida entre Famalicão e Sporting.

O jogo estava, inicialmente, marcado para as 18h00 de sábado, ainda foi adiado por uma hora, mas às 19h30 a Liga emitiu um comunicado dizendo que não estavam reunidas as mínimas condições de segurança e decidiu cancelar o jogo, que ainda não tem nova data para se realizar.

Assim que, no exterior do estádio, os adeptos se aperceberam de que não iria haver jogo, houve confrontos entre adeptos das duas equipas. Pelo menos, seis pessoas ficaram feridas e várias viaturas foram danificadas.

Só se soube mesmo à hora do jogo?

Quase. De acordo com a Liga de Futebol, que é a entidade organizadora dos campeonatos profissionais, as reuniões preparatórias deste encontro realizaram-se sempre com a certeza de que havia todas as condições de segurança para que se realizasse.

Mas só no sábado à tarde é que a Liga foi informada da indisponibilidade da maior parte dos agentes que alegaram baixa médica para não realizarem o policiamento da partida.

Esta situação fez, até, com que não tenha havido polícias suficientes na cidade de Famalicão durante, praticamente, um dia inteiro.

Foi preciso chamar elementos da esquadra de Guimarães e, também, elementos que estavam destacados para as inquirições da Operação Pretoriano, no Tribunal de Instrução Criminal do Porto.

O Famalicão - Sporting foi caso único?

Com desacatos, sim. Mas não foi a única partida cancelada este fim de semana.

Na II Liga, o Leixões - Nacional da Madeira e o Feirense - Académico de Viseu também não realizaram por falta de agentes da PSP para garantir o policiamento.

Até onde é que os polícias podem levar a contestação?

O futebol é a consequência mais imediata desta contestação em que os agentes da PSP exigem melhores condições salariais e a atribuição do suplemento de missão, à semelhança do que com a Polícia Judiciária.

No limite, esta contestação pode inviabilizar as legislativas de 10 de março.

Como assim?

Porque o transporte dos boletins de voto e das urnas é da responsabilidade das forças de segurança.

E o presidente do Sindicato Nacional da Polícia já avisou que se o Governo não for ao encontro das reivindicações dos agentes, pode estar em risco a realização das legislativas de 10 de março. É um cenário limite, mas está, nesta altura, em cima da mesa.

E o que diz o Governo?

Diz que estamos perante um caso de "insubordinação gravíssima" e ordenou um inquérito urgente aos acontecimentos deste fim de semana.

Além disso, e em resposta às revindicações dos agentes, o próprio primeiro-ministro disse que só tomaria uma posição depois de recebesse a carta da plataforma que junta sindicatos da PSP e da GNR.

Algo que, de acordo com fonte governamental citada pelo jornal "Expresso", pode acontecer esta segunda-feira.

"Autobaixas" estão em alta. Está tudo a ficar doente?
O segundo ciclo deve continuar ou acabar?
A Europa está a preparar-se para entrar em guerra com a Rússia?
Como funciona o voto antecipado?
Como é que devo validar as minhas faturas?
Como evitar burlas no arrendamento de casas?
O que é que causou o incêndio que consumiu prédio em Valência?
Quais são os problemas no atendimento ao cidadão?
Quem vai estar dispensado de preencher o IRS?
Por que é que o sarampo se está a propagar rapidamente?
Julian Assange vai ser extraditado para os EUA?
Protesto dos polícias no Capitólio foi autorizado?
Missão militar europeia no Mar Vermelho. Quais são os meios e os objetivos?
O que é que fez o endividamento das famílias quadruplicar desde 2015?
Morreu Alexei Navalny. O que se sabe até agora?
Julgamento de suspeito do rapto de Maddie McCann está relacionado com o caso?
Madeira. O que é que vai acontecer agora que os três detidos foram libertados?
Já é possível ter o cartão de cidadão e a carta de condução no telemóvel. Como é que funciona?
Vai ser possível consultar online as declarações de rendimentos e património dos políticos. Que plataforma é esta?
A Meta vai limitar o acesso a sugestões de conteúdo político nas redes sociais. O que é que isto significa?
Presencial, correspondência ou antecipado. Como votar nas eleições legislativas?
Por que é que as televisões recusaram debates com Nuno Melo a representar a AD?
Abandono escolar aumenta em Portugal. Porquê?
Por que é que há bancos a bloquear as contas dos clientes?
Baixas médicas e fim de grupo operacional. O que se passa na PSP?
A PSP está a investigar a própria PSP por suspeitas de fraude?
Quem é o pirata português procurado nos EUA?
Existe uma relação contratual entre um estafeta e a Uber Eats?
Dengue deixa Rio de Janeiro em estado de emergência. A culpa é do mosquito?
O que sabemos da manifestação anti-Islão?
Cessar-fogo à vista. Aproxima-se o fim da guerra entre Israel e Hamas?
Agricultores protestam e cortam estradas em Portugal. Porquê?
Telecomunicações mais caras. Por que é que os preços voltam a aumentar?
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.