Tempo
|
Explicador Renascença
As respostas às questões que importam sobre os temas que nos importam.
A+ / A-
Arquivo
Sondagem das Sondagens. Como funciona o agregador da Renascença?

Explicador Renascença

Sondagem das Sondagens. Como funciona o agregador da Renascença?

29 jan, 2024 • Miguel Coelho


A Renascença lançou o modelo de análise das sondagens para as eleições legislativas de 2024. Perceba o que é o filtro de Kalman, como são tratados os indecisos e que intenções de voto são projetadas para o PS, para a AD e para todos os outros partidos.

A Renascença divulga a partir desta segunda-feira a Sondagem das Sondagens, um instrumento com provas dadas em ocasiões anteriores e que vai permitir acompanhar a evolução das intenções de voto até às eleições legislativas de 10 de março.

O Explicador Renascença explica o funcionamento do modelo.

Como funciona a Sondagem das Sondagens?

A Sondagem das Sondagens é um agregador de sondagens, ou seja, é um mecanismo que junta os diferentes estudos de opinião política feitos ao longo do tempo pelas diferentes entidades que produzem as sondagens, como instituições de ensino superior.

Mas como se apuram os resultados? É a média?

Não é uma média. O que este modelo faz é combinar os resultados dos partidos em cada uma das sondagens, através de um exercício de filtragem, feito com um algoritmo que reduz o ruído estatístico gerado pela publicação de muitas sondagens e produz uma estimativa, mais exata, de um valor que represente a intenção de voto.

O método que usamos é o chamado filtro de Kalman - criado por Rudolph Kalman, um matemático húngaro - que permite olhar para os resultados das sondagens como um todo e interpretar as tendências ou desvios entre elas. Desta forma, quando algum dado se comporta de maneira diferente, o filtro pondera se se trata de um erro da amostra, de algum fenómeno isolado, ou não.

Além disso, o filtro de Kalman calcula a margem de erro da intenção de voto - uma margem que aumenta nas sondagens mais antigas e que é menor no caso das mais recentes. Tudo calculado para que a ponderação final seja o mais fiel possível.

Isso já é inteligência artificial! Quem é que são os cérebros humanos por detrás da Sondagem das Sondagens?

É a equipa de dados da Renascença - Diogo Camilo, João Pedro Quesado e Salomé Esteves. Durante este processo, a Renascença contou com o apoio de Luís Aguiar-Conraria, presidente da Escola de Economia e Gestão da Universidade do Minho, a partir do método adotado pelo projeto POPSTAR, coordenado pelo politólogo Pedro Magalhães e que é vocacionado justamente para a análise da opinião pública.

E os indecisos? Ficam de fora, ou como é que são incluídos na Sondagem das Sondagens?

São incluídos. Mas, ao contrário de anos anteriores, em que se era assumida a distribuição de indecisos feita por cada uma das casas de sondagens, desta vez, a Renascença optou por fazer a distribuição das percentagens. Portanto, atribuímos a cada partido uma parte dos indecisos que é proporcional à percentagem das suas intenções de voto. A vantagem é que, assim, aplica-se o mesmo critério a todas as sondagens e a todos os partidos.

Só falta que nos digas o que é que nesta altura prevê a Sondagem das Sondagens... Porque os números já podem ser consultados, não é?

Sim, já desde esta manhã, temos tudo em sondagens.rr.sapo.pt. Verifica-se um empate técnico entre PS e AD, embora com vantagem para os socialistas, que têm 30% das intenções de voto, contra 26,7% para a Aliança Democrática. Mas, como a margem de erro é de quase dois por cento, para cima e para baixo, ambos os partidos estão dentro da margem de variação.

Em terceiro aparece o Chega com 17%, seguido do Bloco com 7,8%, da IL com 5,3%, a CDU com 3,2%, o PAN com 2,2% e, finalmente, o Livre, com 1,8%.

"Autobaixas" estão em alta. Está tudo a ficar doente?
O segundo ciclo deve continuar ou acabar?
A Europa está a preparar-se para entrar em guerra com a Rússia?
Como funciona o voto antecipado?
Como é que devo validar as minhas faturas?
Como evitar burlas no arrendamento de casas?
O que é que causou o incêndio que consumiu prédio em Valência?
Quais são os problemas no atendimento ao cidadão?
Quem vai estar dispensado de preencher o IRS?
Por que é que o sarampo se está a propagar rapidamente?
Julian Assange vai ser extraditado para os EUA?
Protesto dos polícias no Capitólio foi autorizado?
Missão militar europeia no Mar Vermelho. Quais são os meios e os objetivos?
O que é que fez o endividamento das famílias quadruplicar desde 2015?
Morreu Alexei Navalny. O que se sabe até agora?
Julgamento de suspeito do rapto de Maddie McCann está relacionado com o caso?
Madeira. O que é que vai acontecer agora que os três detidos foram libertados?
Já é possível ter o cartão de cidadão e a carta de condução no telemóvel. Como é que funciona?
Vai ser possível consultar online as declarações de rendimentos e património dos políticos. Que plataforma é esta?
A Meta vai limitar o acesso a sugestões de conteúdo político nas redes sociais. O que é que isto significa?
Presencial, correspondência ou antecipado. Como votar nas eleições legislativas?
Por que é que as televisões recusaram debates com Nuno Melo a representar a AD?
Abandono escolar aumenta em Portugal. Porquê?
Por que é que há bancos a bloquear as contas dos clientes?
Baixas médicas e fim de grupo operacional. O que se passa na PSP?
A PSP está a investigar a própria PSP por suspeitas de fraude?
Quem é o pirata português procurado nos EUA?
Existe uma relação contratual entre um estafeta e a Uber Eats?
Dengue deixa Rio de Janeiro em estado de emergência. A culpa é do mosquito?
Os protestos dos polícias podem impedir as eleições legislativas?
O que sabemos da manifestação anti-Islão?
Cessar-fogo à vista. Aproxima-se o fim da guerra entre Israel e Hamas?
Agricultores protestam e cortam estradas em Portugal. Porquê?
Telecomunicações mais caras. Por que é que os preços voltam a aumentar?
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.