Explicador Renascença
As respostas às questões que importam sobre os temas que nos importam.
A+ / A-
Arquivo
IVA Zero chega ao fim. Que aumentos de preços é que podemos esperar?
Ouça o Explicador Renascença

Explicador Renascença

IVA Zero chega ao fim. Que aumentos de preços é que podemos esperar?

04 jan, 2024 • Anabela Góis


Há estimativas que apontam para subidas médias da ordem dos 10%.

Esta quinta-feira é o último dia do cabaz do IVA Zero.

A partir desta sexta-feira, 46 categorias de produtos vão ter novos preços, superiores, naturalmente, aos atuais.

O Explicador Renascença refere que tipo de aumentos é que podemos esperar e como alguns não se limitam ao valor do IVA.

Porque é que vão aumentar os preços?

O diretor-geral da Associação que representa as empresas de distribuição já avisou que é natural que os preços aumentem mais por causa do aumento dos preços de produção e transporte a que se vai juntar os custos que decorrem do fim dos apoios à produção agrícola nacional.

Há estimativas que apontam para subidas médias da ordem dos 10%.

Se os preços aumentassem só o valor do IVA, na maioria dos casos, estas 46 categorias de produtos teriam um acréscimo de 6%. Em alguns casos mais raros, por exemplo nos óleos alimentares, o aumento será superior tendo em conta que estes produtos estavam tabelados a 23%.

Quais são os produtos?

A medida que esteve em vigor ao longo dos últimos oito meses e meio abrange 46 categorias de bens considerados essenciais e que foram escolhidos tendo em conta o cabaz de alimentação saudável do Ministério da Saúde e os setores da produção e da distribuição alimentar sobre os produtos mais consumidos.

São cereais, laticínios, frutas, leguminosas, legumes e hortícolas, carne e peixe, gorduras e óleos e, ainda, atum em conserva, ovos de galinha, bebidas e iogurtes de base vegetal e produtos sem glúten para doentes celíacos.

Os consumidores sentiram os efeitos do IVA Zero?

Se não fosse o IVA Zero, os preços seriam bastante mais altos. A medida permitiu reduzir a taxa de inflação nos alimentos em 3,5%, face à média da zona euro e, mesmo assim, os preços subiram enquanto o IVA Zero esteve em vigor.

Olhando para o cabaz que é monitorizado semanalmente pela Deco Proteste, que inclui 41 produtos destas 46 categorias, podemos ver que desde abril o cabaz teve um aumento superior a nove euros.

Custa, neste momento, 143 euros, que é o valor mais alto desde que a monitorização começou a ser feita. O maior aumento verificou-se no azeite virgem extra, que no espaço de um ano quase duplicou de preço.

Porque é que a medida acaba?

O Governo diz que era uma medida temporária para ajudar as famílias a enfrentarem a inflação que resultou da guerra na Ucrânia e da pandemia.

Para este ano está previsto uma medida de valor equivalente que é o reforço das prestações sociais das famílias mais vulneráveis.

A medida vai abranger cerca de 1,5 milhões de pessoas, e tem um valor total de 550 milhões de euros.

Esta sexta-feira todos os preços estão atualizados?

A APED garante que sim.

Aliás, o IVA Zero não acabou logo no primeiro dia do ano exatamente para as empresas terem tempo de atualizar o preçário e os sistemas informáticos.

Ainda assim, a Deco Proteste alerta os consumidores para estarem atentos e alertarem sempre que encontrem discrepâncias ou erros e a ASAE promete estar atenta.

JPP é a surpresa das eleições na Madeira. Afinal, que partido é este?
Imprimir o bilhete? Ir a pé ou de carro? O que precisa de saber para o concerto de Taylor Swift
O que prevê o pacote do Governo de apoio aos jovens?
Governo alivia restrições ao consumo de água. A seca desagravou?
Portugal vai reconhecer a Palestina?
Professores. Por que é que há sindicatos que não aceitaram o acordo do Governo?
O que diz o acordo entre professores e o Governo?
Por que é que o Tribunal Penal Internacional pede mandado de captura a Netanyahu?
Quais são as novas regras das transferências bancárias?
Visita "Ad Limina": o que é e em que consiste?
Devia Aguiar-Branco ter reprimido Ventura no Parlamento?
Cristo Rei faz 65 anos. O que sabemos sobre este monumento?
O que esperar do acordo para reduzir o valor do IRS?
Afinal, o Papa vai ou não a Niceia?
O que motivou o ataque ao primeiro-ministro da Eslováquia?
Risco de pobreza aumentou em 2023. Quem são as famílias em maior risco?
Aeroporto Luís de Camões. É desta que a obra é feita?
Porque vai a eletricidade ficar mais cara em junho?
Os Super Dragões terão ficado com bilhetes para benefício próprio?
Hospitais com falhas em medicamento usado para tratar cancro. O que está a ser feito?
Como aceder ao complemento solidário para idosos?
Subida de 50 euros no CSI. Quando é que idosos começam a receber os aumentos?
Por que é que estão a aumentar os casos de tosse convulsa?
Jovens com direito à devolução de propinas devem fazer IRS?
Afinal o acordo de rendimentos do anterior Governo é mesmo para cumprir. O que significa?
José Castelo Branco detido pela GNR. O que se sabe até agora?
Afinal, o Sporting tem 20 ou 24 campeonatos?
Quanto recebem os eurodeputados fora do Parlamento Europeu?
O que é o crime de "traição à pátria" de que Marcelo pode ser acusado pelo Chega?
Quem é o jovem português que incentivava e coordenava massacres online?
Fim do pagamento das ex-SCUT vai avançar? Ou Governo avança com lei travão?
Portagens vão ser eliminadas nas ex-Scut?
Excedente em janeiro passou a défice em março. O que aconteceu?
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.