Tempo
|
Explicador Renascença
As respostas às questões que importam sobre os temas que nos importam.
A+ / A-
Arquivo
Linha de alta velocidade avança, mas há oposição. Como está o projeto?

Explicador Renascença

Linha de alta velocidade avança, mas há oposição. Como está o projeto?

27 nov, 2023 • Anabela Góis , João Pedro Quesado


O projeto da linha de alta velocidade entre o Porto e Lisboa continua a avançar. Contudo, há quem se oponha. As expropriações são uma preocupação, mas ainda falta lançar o primeiro concurso para a construção poder começar.

Já foram aprovadas os dois troços da primeira fase da linha de alta velocidade entre Porto e Lisboa. Contudo, as localidades mais afetadas têm demonstrado resistência e oposição.

Porque é que as pessoas estão contra o TGV?

Há razões diferentes. Em Estarreja, a população de Canelas e Fermelã uniu-se contra o projeto porque há muitas casas que vão ser destruídas, e os proprietários consideram que as indemnizações não compensam. Por outro lado, questionam a opção pela bitola ibérica, que consideram que vai isolar o país.

E também há questões ambientais. A linha de alta velocidade vai atravessar a união de freguesias por duas vezes, já que a interligação com a Linha do Norte fica em Canelas. Essa interligação vai ter grandes impactos na Zona Ecológica Protegida do Baixo Vouga Lagunar, dentro da Zona Especial de Conservação da Ria de Aveiro.

Mas já se sabe quantas pessoas é que vão perder as suas casas?

Segundo os estudos de impacte ambiental produzidos para a avaliação dos dois troços da primeira fase da linha de alta velocidade, quase 200 famílias podem ser afetadas. Embora a empresa Infraestruturas de Portugal estime que este é o número máximo, e acredite que no final haja menos famílias - e habitações - afetadas.

Nesta primeira fase, estamos a falar de aproximadamente 150 quilómetros, entre a estação de Campanhã, no Porto, e Soure, perto de Pombal.

E quanto é que as pessoas que vão ficar sem casa recebem?

O valor das indemnizações ainda vai ser definido por um grupo de peritos do Ministério Publico, mas já há dúvidas. O presidente da união de freguesias de Canelas e Fermelã receia que não paguem o real valor das casas, porque os preços na construção civil estão constantemente a crescer.

A empresa Infraestruturas de Portugal garante, no entanto, que os valores de mercado vão ser considerados, tendo em conta as últimas transações imobiliárias na zona.

Se o proprietário concordar com o valor, a indemnização é paga de imediato. Se não concordar, o montante é depositado à ordem do tribunal, que será responsável por definir o valor final a pagar.

A linha já está a ser construída?

Ainda não. Ainda estamos na fase dos estudos.

O que está previsto é que o concurso público para o projeto de execução, construção, disponibilização e manutenção do primeiro troço - entre Campanhã e Oiã - seja lançado em janeiro. Mas, como o Governo caiu, não há certezas.

A próxima fase da linha Porto - Lisboa a ser colocada em consulta pública será o troço entre Soure e Carregado. O que deverá acontecer no 2º trimestre de 2024.

Se tudo correr como planeado, em 2029 teremos comboios de alta velocidade a circular até Soure. E dois anos depois já podemos viajar até ao Carregado. A ligação Porto - Lisboa estará concluída em 2035.

Então e quando chegamos a Soure na 1ª fase, e depois ao Carregado, o que é que acontece? Vamos a pé?

Não! O TGV entra na atual Linha do Norte, e fazemos o resto do percurso à velocidade a que fazemos agora - ou seja, no máximo a 220 km/h - enquanto no percurso novo, o comboio anda a 300 km/h.

E quando estiver tudo pronto é a CP que vai ficar responsável pelos comboios?

Não obrigatoriamente, ou não em exclusivo.

O que está previsto com a chegada do TGV é que a liberalização do serviço ferroviário, que já existe no papel, passe à prática. Ou seja, podemos ter operadores privados e de outros países a assegurarem as viagens. Só para dar alguns exemplos, a Barraqueiro já formalizou o interesse, e há rumores de que a espanhola Renfe também pode entrar no negócio.

Como funciona o voto antecipado?
Como é que devo validar as minhas faturas?
Como evitar burlas no arrendamento de casas?
O que é que causou o incêndio que consumiu prédio em Valência?
Quais são os problemas no atendimento ao cidadão?
Quem vai estar dispensado de preencher o IRS?
Por que é que o sarampo se está a propagar rapidamente?
Julian Assange vai ser extraditado para os EUA?
Protesto dos polícias no Capitólio foi autorizado?
Missão militar europeia no Mar Vermelho. Quais são os meios e os objetivos?
O que é que fez o endividamento das famílias quadruplicar desde 2015?
Morreu Alexei Navalny. O que se sabe até agora?
Julgamento de suspeito do rapto de Maddie McCann está relacionado com o caso?
Madeira. O que é que vai acontecer agora que os três detidos foram libertados?
Já é possível ter o cartão de cidadão e a carta de condução no telemóvel. Como é que funciona?
Vai ser possível consultar online as declarações de rendimentos e património dos políticos. Que plataforma é esta?
A Meta vai limitar o acesso a sugestões de conteúdo político nas redes sociais. O que é que isto significa?
Presencial, correspondência ou antecipado. Como votar nas eleições legislativas?
Por que é que as televisões recusaram debates com Nuno Melo a representar a AD?
Abandono escolar aumenta em Portugal. Porquê?
Por que é que há bancos a bloquear as contas dos clientes?
Baixas médicas e fim de grupo operacional. O que se passa na PSP?
A PSP está a investigar a própria PSP por suspeitas de fraude?
Quem é o pirata português procurado nos EUA?
Existe uma relação contratual entre um estafeta e a Uber Eats?
Dengue deixa Rio de Janeiro em estado de emergência. A culpa é do mosquito?
Os protestos dos polícias podem impedir as eleições legislativas?
O que sabemos da manifestação anti-Islão?
Cessar-fogo à vista. Aproxima-se o fim da guerra entre Israel e Hamas?
Agricultores protestam e cortam estradas em Portugal. Porquê?
Telecomunicações mais caras. Por que é que os preços voltam a aumentar?
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Contra
    10 dez, 2023 tgv 13:07
    T tgv dp ps e psd é uma desgraça social e económica