Tempo
|
Explicador Renascença
As respostas às questões que importam sobre os temas que nos importam.
A+ / A-
Arquivo
Um mês do início da guerra entre Israel e o Hamas: como chegamos aqui?

Explicador Renascença

Um mês do início da guerra entre Israel e o Hamas: como chegamos aqui?

07 nov, 2023 • André Rodrigues


A guerra, que cumpre hoje um mês, começou a 7 de outubro, com um ataque surpresa realizado pelo grupo islamita Hamas contra o território israelita, que provocou cerca de 1.400 mortos, mais de 5.400 feridos e durante o qual foram feitos mais de 240 reféns.

Esta terça-feira faz um mês do início da guerra entre Israel e o Hamas. A sete de outubro, os ataques do Hamas no sul de Israel mataram 1.400 israelitas. Nos 31 dias que se seguiram, a retaliação israelita em Gaza provocou mais de 10 mil vítimas mortais e praticamente metade são crianças.

Como chegamos aqui?

Antes de mais, é preciso entender as origens do conflito israelo-palestiniano, que dura há mais de 70 anos, e que é uma soma de tensões políticas e religiosas que começaram após a II Guerra Mundial.

O primeiro episódio deste longo conflito aconteceu em 1948, na sequência da revolta dos palestinianos que não concordaram com a divisão territorial proposta pelas Nações Unidas, na chamada solução de dois estados.

A revolta palestiniana culminou com a guerra que teve como consequência o êxodo de mais de 700 mil árabes palestinianos que foram expulsos das suas casas, na sequência da vitória israelita. Um episódio que ficou conhecido como 'Nakba', que é a palavra árabe que significa catástrofe ou desastre.

Mas a solução de dois estados nunca foi possível. Porquê?

Porque, nas décadas seguintes, multiplicaram-se os episódios de tensão, com atentados terroristas por movimentos pró-Palestina e retaliações de curta duração por parte dos israelitas.

Ao longo de décadas, todas as tentativas para paz na região fracassaram. E, no final de tudo, ambos os lados mantêm-se inflexíveis: se Israel exige o seu reconhecimento como um estado judeu, a Palestina pede o fim da ocupação na Cisjordânia e o levantamento do bloqueio à Faixa de Gaza, um território com 365 quilómetros quadrados, onde vivem mais de dois milhões de pessoas, entre as fronteiras de Israel e do Egito, sem a possibilidade de circular livremente.

É uma das áreas mais densamente povoadas do planeta, onde cerca de metade da população vive abaixo da linha de pobreza e 40% tem menos de 14 anos.

Mas, afinal, o que é o Hamas e o que pretende?

O Hamas é, ao mesmo tempo, um partido e um grupo paramilitar que governa a Faixa de Gaza desde 2007. Objetivo: a destruição do estado israelita e a instituição de um estado governado sob uma autoridade religiosa.

Como se explicam os ataques de 7 de outubro?

Há várias leituras possíveis, e todas elas jogam com o lado mais emotivo da causa palestiniana: por um lado, por via da propaganda, com uma ação que aumenta a popularidade do Hamas junto dos palestinianos.

Outra leitura possível: a captura de reféns israelitas como forma de pressionar o governo de Benjamin Netanyahu a libertar parte dos 4.500 palestinianos detidos em prisões israelitas.

Este ataque é comparável com outras ações do passado?

Não. Esta ação de 7 de outubro é, de facto, a maior operação lançada a partir de Gaza e é, também, o incidente transfronteiriço mais grave que Israel alguma vez enfrentou no quadro do conflito com movimentos palestinianos.

Não só pela forma cruel como muitos israelitas foram mortos, mas também - e este é um ponto importante - pela forma como a barreira de segurança israelita foi anulada.

Esperava-se que cerca com arame farpado, com vigilância reforçada, pudesse funcionar como uma barreira inteligente.

A verdade é que o Hamas conseguiu abrir caminho, entrando por via marítima e de parapente.

Que papel tem o Irão em tudo isto?

O Irão, como sabemos, é um dos principais inimigos de Israel na região.

Especula-se que as ações de 7 de outubro possam ter contado com o patrocínio do regime de Teerão, um dos maiores rivais do estado israelita. Apesar disso, o líder supremo iraniano, o ayatollah Ali Khamenei já negou o envolvimento do país.

Por outro lado, tanto o Irão como o Hamas estão contra a possibilidade de um acordo de paz, que seria histórico, entre Israel e a Arábia Saudita.

Daí que o objetivo do Hamas tenha sido o de levar a cabo uma ação contra cidadãos israelitas, motivando uma retaliação de tal modo agressiva que acabe por gerar a ira generalizada de todo o mundo árabe, frustrando qualquer horizonte de normalização de relações entre Telavive e a monarquia saudita, rival de longa data de Teerão na disputa pela influência na região.

Por que é que médicos de urgências deixam de passar atestados a doentes com pulseira verde e azul?
Urgências vão começar a passar baixas? Saiba o que muda
"Autobaixas" estão em alta. Está tudo a ficar doente?
O segundo ciclo deve continuar ou acabar?
A Europa está a preparar-se para entrar em guerra com a Rússia?
Como funciona o voto antecipado?
Como é que devo validar as minhas faturas?
Como evitar burlas no arrendamento de casas?
O que é que causou o incêndio que consumiu prédio em Valência?
Quais são os problemas no atendimento ao cidadão?
Quem vai estar dispensado de preencher o IRS?
Por que é que o sarampo se está a propagar rapidamente?
Julian Assange vai ser extraditado para os EUA?
Protesto dos polícias no Capitólio foi autorizado?
Missão militar europeia no Mar Vermelho. Quais são os meios e os objetivos?
O que é que fez o endividamento das famílias quadruplicar desde 2015?
Morreu Alexei Navalny. O que se sabe até agora?
Julgamento de suspeito do rapto de Maddie McCann está relacionado com o caso?
Madeira. O que é que vai acontecer agora que os três detidos foram libertados?
Já é possível ter o cartão de cidadão e a carta de condução no telemóvel. Como é que funciona?
Vai ser possível consultar online as declarações de rendimentos e património dos políticos. Que plataforma é esta?
A Meta vai limitar o acesso a sugestões de conteúdo político nas redes sociais. O que é que isto significa?
Presencial, correspondência ou antecipado. Como votar nas eleições legislativas?
Por que é que as televisões recusaram debates com Nuno Melo a representar a AD?
Abandono escolar aumenta em Portugal. Porquê?
Por que é que há bancos a bloquear as contas dos clientes?
Baixas médicas e fim de grupo operacional. O que se passa na PSP?
A PSP está a investigar a própria PSP por suspeitas de fraude?
Quem é o pirata português procurado nos EUA?
Existe uma relação contratual entre um estafeta e a Uber Eats?
Dengue deixa Rio de Janeiro em estado de emergência. A culpa é do mosquito?
Os protestos dos polícias podem impedir as eleições legislativas?
O que sabemos da manifestação anti-Islão?
Cessar-fogo à vista. Aproxima-se o fim da guerra entre Israel e Hamas?
Agricultores protestam e cortam estradas em Portugal. Porquê?
Telecomunicações mais caras. Por que é que os preços voltam a aumentar?
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.