Explicador Renascença
As respostas às questões que importam sobre os temas que nos importam.
A+ / A-
Arquivo
O que disse Guterres sobre Israel e o Hamas e porque divide tanto as opiniões?

Explicador Renascença

O que disse Guterres sobre Israel e o Hamas e porque divide tanto as opiniões?

26 out, 2023 • André Rodrigues


Em causa estão declarações feitas na abertura de uma reunião do Conselho de Segurança da ONU, em que afirmou que "é importante reconhecer que os ataques do Hamas não aconteceram num vácuo", acrescentando que "o povo palestiniano tem sido submetido a 56 anos de ocupação sufocante".

Os últimos dias têm sido marcados pela polémica em torno de António Guterres e das declarações sobre a guerra no Médio Oriente.

Afinal, o que disse o secretário-geral das Nações Unidas e porque é que está a dividir tanto as opiniões?

Dividido é o mínimo que se pode dizer acerca desta polémica que dura desde esta terça-feira.

Na abertura de uma reunião do Conselho de Segurança, o secretário-geral das Nações Unidas reafirmou a condenação ao "terror sem precedentes" nos ataques do Hamas, de 7 de outubro. Guterres disse que "nada pode justificar o assassinato, o ataque e o rapto deliberados de civis", mas que isso "não pode justificar a punição coletiva do povo palestiniano".

E aí começa a polémica...

Sim, porque o secretário-geral da ONU aludiu a "violações claras do direito humanitário internacional" na Faixa de Gaza, sublinhando que os ataques do Hamas não surgiram do nada, no quadro de 56 anos de uma "ocupação sufocante" - e aqui, uma vez mais, a expressão é de António Guterres e motivou, logo ali na hora, uma resposta enérgica por parte do ministro dos negócios estrangeiros israelita, que acusou Guterres de justificar o terrorismo do Hamas. Chegando, mesmo, a pedir a demissão de Guterres e a perguntar "Em que mundo vive, senhor secretário-geral?".

Como é que o mundo tem reagido?

Começamos pelos Estados Unidos, que é um dos principais atores internacionais.

O secretário de Estado, Anthony Blinken, insiste que "o Hamas não representa o povo palestiniano" e lembra que "os civis palestinianos não são culpados pelos atos de terrorismo do Hamas".

Mas há outras vozes que alinham com a indignação expressa por Israel: por exemplo, Itália e Reino Unido desafiam António Guterres a retratar-se destas declarações que classificam como "inaceitáveis".

Espanha mostrou-se solidária com o secretário-geral da ONU. Pedro Sanchez referiu que Guterres levantou a voz "por uma grande maioria das sociedades do mundo que querem uma pausa humanitária" no conflito do Médio Oriente.

E Portugal?

Diz que Guterres foi "cristalino na análise". É a posição expressa pelo Ministério dos Negócios Estrangeiros que considera que "não há forma nenhuma de dizer que António Guterres está a desculpabilizar o terrorismo".

Aqui uma resposta muito clara a Israel. O gabinete do ministro Gomes Cravinho diz que isso "é um erro absoluto e que não se pode deixar passar em branco".

E o próprio Guterres, como reage a tudo isto?

Em choque. O secretário-geral das Nações Unidas lamenta o que diz ser uma deturpação das suas declarações.

Esta é a primeira vez que o conflito israelo-palestiniano motiva uma polémica deste género?

Não. Aliás, a tensão dos últimos dias já aconteceu no passado entre o Estado israelita e outros secretários-gerais da ONU que expressaram preocupação. Por exemplo, em finais dos anos 90, o secretário-geral Boutros-Ghali insurgiu-se contra a deportação de cidadãos palestinianos.

Mais recentemente, Ban Ki Moon, antecessor de Guterres na ONU, nunca se absteve de criticar a ocupação.

Plano de emergência para a saúde apresentado. O que muda?
O que fica da visita de Zelensky a Portugal?
Quase 100 mil eleitores já se inscreveram para o voto antecipado. Como funciona?
​O que sabemos da visita de Zelensky a Portugal?
JPP é a surpresa das eleições na Madeira. Afinal, que partido é este?
Imprimir o bilhete? Ir a pé ou de carro? O que precisa de saber para o concerto de Taylor Swift
O que prevê o pacote do Governo de apoio aos jovens?
Governo alivia restrições ao consumo de água. A seca desagravou?
Portugal vai reconhecer a Palestina?
Professores. Por que é que há sindicatos que não aceitaram o acordo do Governo?
O que diz o acordo entre professores e o Governo?
Por que é que o Tribunal Penal Internacional pede mandado de captura a Netanyahu?
Quais são as novas regras das transferências bancárias?
Visita "Ad Limina": o que é e em que consiste?
Devia Aguiar-Branco ter reprimido Ventura no Parlamento?
Cristo Rei faz 65 anos. O que sabemos sobre este monumento?
O que esperar do acordo para reduzir o valor do IRS?
Afinal, o Papa vai ou não a Niceia?
O que motivou o ataque ao primeiro-ministro da Eslováquia?
Risco de pobreza aumentou em 2023. Quem são as famílias em maior risco?
Aeroporto Luís de Camões. É desta que a obra é feita?
Porque vai a eletricidade ficar mais cara em junho?
Os Super Dragões terão ficado com bilhetes para benefício próprio?
Hospitais com falhas em medicamento usado para tratar cancro. O que está a ser feito?
Como aceder ao complemento solidário para idosos?
Subida de 50 euros no CSI. Quando é que idosos começam a receber os aumentos?
Por que é que estão a aumentar os casos de tosse convulsa?
Jovens com direito à devolução de propinas devem fazer IRS?
Afinal o acordo de rendimentos do anterior Governo é mesmo para cumprir. O que significa?
José Castelo Branco detido pela GNR. O que se sabe até agora?
Afinal, o Sporting tem 20 ou 24 campeonatos?
Quanto recebem os eurodeputados fora do Parlamento Europeu?
O que é o crime de "traição à pátria" de que Marcelo pode ser acusado pelo Chega?
Quem é o jovem português que incentivava e coordenava massacres online?
Fim do pagamento das ex-SCUT vai avançar? Ou Governo avança com lei travão?
Portagens vão ser eliminadas nas ex-Scut?
Excedente em janeiro passou a défice em março. O que aconteceu?
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.