Explicador Renascença
As respostas às questões que importam sobre os temas que nos importam.
A+ / A-
Arquivo
Estudo diz que raspadinha está a provocar aumento de casos de jogo patológico. E mais?

Explicador Renascença

Estudo indica aumento de casos de jogo patológico com raspadinhas. E mais?

19 set, 2023 • Sérgio Costa


Cerca de 100 mil portugueses têm problemas de jogo com a raspadinha e destes, 30 mil terão perturbação de jogo patológica, diz o estudo "Quem paga a raspadinha?".

Cerca de cem mil pessoas têm problemas de jogo com a raspadinha. Esta é a principal conclusão de um estudo que vai ser apresentado esta terça-feira.

Que estudo é este?

Um estudo encomendado pelo Conselho Económico e Social que pretende criar justamente o perfil do utilizar da raspadinha. O estudo foi encomendado a dois professores da Universidade do Minho e visa igualmente perceber os níveis de doenças associadas a este tipo de jogo em Portugal

Que outras conclusões estão disponíveis?

Esse número representa 1,21% da população adulta portuguesa. Não deixa de ser significativo. Mas há mais. O mesmo estudo indica que 30 mil dessas pessoas têm quase de certeza doença instalada, ou seja, perturbação de jogo patológico. Trata-se de uma dimensão grave e considerável.

E qual é o perfil de quem mais joga na raspadinha?

O estudo mostra, ou até confirma que quem mais joga nas raspadinhas são as pessoas com menos instrução escolar, com menos rendimentos e os piores indicadores de saúde mental. São sobretudo pessoas com sintomas de ansiedade, pessoas deprimidas ou com sintomas de stress.

Como se explica este fenómeno?

O estudo mostra que a pessoa com rendimentos entre os 400 e os 664 euros tem três vezes mais probabilidades de ser jogador frequente do que quem aufere mais de 1500 euros. Quem menos ganha, mais gasta em raspadinhas. Isto explica-se com factores de ansiedade, mas também pelo facto de o resultado da raspadinha ser imediato.

É sugerida alguma estratégia para resolver esse problema? Uma vez que estamos perante um quadro de saúde mental preocupante.

Sim, os autores do estudo sugerem mais regulamentação, mas não um quadro de proibição. Os autores sugerem campanhas informativas e medidas para que o jogo seja mais consciente, por exemplo, através da criação de um cartão do jogador.

Visita Ad Limina. O que significa esta viagem?
Devia Aguiar-Branco ter reprimido Ventura no Parlamento?
Cristo Rei faz 65 anos. O que sabemos sobre este monumento?
O que esperar do acordo para reduzir o valor do IRS?
Afinal, o Papa vai ou não a Niceia?
O que motivou o ataque ao primeiro-ministro da Eslováquia?
Risco de pobreza aumentou em 2023. Quem são as famílias em maior risco?
Aeroporto Luís de Camões. É desta que a obra é feita?
Porque vai a eletricidade ficar mais cara em junho?
Os Super Dragões terão ficado com bilhetes para benefício próprio?
Hospitais com falhas em medicamento usado para tratar cancro. O que está a ser feito?
Como aceder ao complemento solidário para idosos?
Subida de 50 euros no CSI. Quando é que idosos começam a receber os aumentos?
Por que é que estão a aumentar os casos de tosse convulsa?
Jovens com direito à devolução de propinas devem fazer IRS?
Afinal o acordo de rendimentos do anterior Governo é mesmo para cumprir. O que significa?
José Castelo Branco detido pela GNR. O que se sabe até agora?
Afinal, o Sporting tem 20 ou 24 campeonatos?
Quanto recebem os eurodeputados fora do Parlamento Europeu?
O que é o crime de "traição à pátria" de que Marcelo pode ser acusado pelo Chega?
Quem é o jovem português que incentivava e coordenava massacres online?
Fim do pagamento das ex-SCUT vai avançar? Ou Governo avança com lei travão?
Portagens vão ser eliminadas nas ex-Scut?
Excedente em janeiro passou a défice em março. O que aconteceu?
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.