Explicador Renascença
As respostas às questões que importam sobre os temas que nos importam.
A+ / A-
Arquivo
Afinal, o que motiva a polémica sobre a escala imprevista de Costa em Budapeste?

Explicador Renascença

O que motiva a polémica sobre a escala imprevista de Costa em Budapeste?

19 jun, 2023 • André Rodrigues


António Costa fez uma escala na Hungria para ver a final da Liga Europa, a caminho de uma viagem oficial à Moldova. E o caso está a levantar polémica, porquê?

Afinal, o que se passou?

O caso remonta a 31 de maio. António Costa viajava num Falcon 50, que é o avião da Força Aérea Portuguesa destinado a transportar representantes do Estado em viagens oficiais.

E aqui começa a polémica: é que esta paragem em Budapeste, para assistir à final da Liga Europa entre a Roma - treinada por José Mourinho - e os espanhóis do Sevilha, não constava da agenda pública do primeiro-ministro.

Se esse ponto merece um coro de críticas da oposição, sobretudo por parte dos partidos à direita do PS, a polémica adensa-se pelo facto de Costa ter assistido ao jogo juntamente com Viktor Orbán, o controverso e populista primeiro-ministro húngaro, repetidas vezes acusado de desrespeitar os valores democráticos europeus e os direitos humanos.

E o Presidente da República sabia desta viagem não oficial do primeiro-ministro à Hungria?

Sabia. Marcelo foi informado pelo primeiro-ministro desta escala em Budapeste. E, questionado pelos jornalistas, referiu que Costa o informou que iria fazer uma escala em Budapeste para ver a final da Liga Europa e dar um abraço a José Mourinho. Perante a insistência dos jornalistas sobre o eventual uso indevido do Falcon, Marcelo disse não existir qualquer problema.

Mas, afinal, houve ou não um uso do Falcon para uma finalidade privada?

Poderá ter havido, considerando que a escala em Budapeste não constava da agenda pública do primeiro-ministro. Logo, este desvio não fazia parte da viagem oficial de Costa à Moldova.

Que consequências pode ter este caso?

É difícil de determinar, porque o Código de Conduta do Governo não determina quaisquer consequências para situações como esta em que, aparentemente, poderá ter existido utilização indevida de meios do Estado.

Aliás, na sua versão mais recente - de maio do ano passado - o Código de Conduta define-se como um compromisso de orientação assumido pelos membros do Governo. Ou seja, apenas normas éticas. Nada que seja punível por lei.

E já houve casos semelhantes no passado?

Sim, e ambos no tempo do Governo de Santana Lopes: em 2004, o então primeiro-ministro deslocou-se aos Açores para umas jornadas parlamentares do PSD mas, na altura, o gabinete de Santana Lopes garantiu que a viagem foi paga integralmente pelo partido.

O outro caso aconteceu em 2005: uma viagem oficial de Nuno Morais Sarmento a São Tomé e Príncipe que o antigo ministro de Santana Lopes aproveitou para umas aulas de mergulho na ilha do Príncipe.

Na altura, perante as críticas da oposição, Morais Sarmento pediu a demissão, mas Santana Lopes não só recusou, como reiterou a confiança política no seu ministro.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.