Explicador Renascença
As respostas às questões que importam sobre os temas que nos importam.
A+ / A-
Arquivo
Seca ameaça produção agrícola. Que impacto vai ter no setor alimentar?

EXPLICADOR RENASCENÇA

Seca ameaça produção agrícola. Que impacto vai ter no setor alimentar?

25 mai, 2023 • André Rodrigues


Quase metade de Portugal está em situação de seca, cenário esse que se repete noutros países do sul da Europa. A baixa pluviosidade nos últimos meses e a aproximação do verão fazem prever um agravamento das disponibilidades hídricas, com consequências, sobretudo, na produção alimentar. Governo vai pedir ajuda a Bruxelas para desbloquear apoios ao setor agrícola.

A produção alimentar está ameaçada em vários países da União Europeia, incluindo Portugal. Em causa estão as previsões desfavoráveis quanto a um agravamento do quadro de seca em vários Estados-membros, sobretudo na região sul: Portugal, Espanha, Itália e Grécia.

No caso português, já nesta altura do ano, cerca de 40% do país está em situação de seca, com fortes impactos na agricultura. Beja, Évora, Faro, Portalegre, Santarém e Setúbal são as regiões mais afetadas pela falta de recursos hídricos.

É um problema transversal a toda a cadeia de produção alimentar ou só diz respeito a alguns alimentos?

Os riscos apontam, sobretudo, aos alimentos de origem agrícola, cuja produção depende da disponibilidade de água. Por exemplo, em Portugal e em Espanha, o azeite poderá ser fortemente afetado pela situação de seca.

De resto, o preço do azeite em Espanha disparou para valores recorde, dada a quebra muito significativa da produção, o que acabou por se traduzir num encarecimento do produto final.

Também em Portugal o preço do azeite na origem subiu mais de 50% em 2022 face ao ano anterior, muito por causa do aumento dos custos de produção.

Há alguma razão particular para destacar a produção de azeite?

Sim. O olival é a cultura com maior área ocupada em Portugal. De acordo com os dados mais recentes da Pordata, o país tem 380 mil hectares de olival, o que corresponde a 380 mil campos de futebol.

Em termos de área ocupada, seguem-se a produção de cereais e a vinha: logo, três culturas da base alimentar.

Portugal está em situação de seca desde janeiro. Os meses de março e de abril - tradicionalmente chuvosos - tiveram índices de pluviosidade muito reduzidos. Maio também está a ser um mês bastante seco e quente, sobretudo nestes últimos dias.

Portanto, tudo se conjuga para a impossibilidade de garantir as necessidades de rega para a produção agrícola.

Há soluções para este problema?

A ministra da Agricultura, Maria do Céu Antunes, reconhece que são necessárias medidas concretas de apoio aos agricultores. É essa a preocupação que o Governo leva a Bruxelas já na próxima reunião do Conselho Europeu de ministros da Agricultura.

Em causa está a utilização da água enquanto recurso fundamental para a produção de alimentos. Os Estados-membros do sul vão pedir à Comissão Europeia que aprove a utilização dos instrumentos previstos na Política Agrícola Comum para estas situações.

Um desses meios é a declaração do estado de seca, que permite desbloquear ajudas, nomeadamente financeiras, para apoiar a produção e para compensar as perdas dos agricultores.

O que dizem os agricultores?

Dizem que ainda é cedo para quantificar impactos, mas admitem que a seca deste ano vai deixar marcas muito significativas: olival, cereais, mas também as pastagens e o gado vão ser fortemente afetados.

Os produtores antecipam quebras muito significativas, que se vão traduzir em escassez de produtos e aumento de preços.

Plano de emergência para a saúde apresentado. O que muda?
O que fica da visita de Zelensky a Portugal?
Quase 100 mil eleitores já se inscreveram para o voto antecipado. Como funciona?
​O que sabemos da visita de Zelensky a Portugal?
JPP é a surpresa das eleições na Madeira. Afinal, que partido é este?
Imprimir o bilhete? Ir a pé ou de carro? O que precisa de saber para o concerto de Taylor Swift
O que prevê o pacote do Governo de apoio aos jovens?
Governo alivia restrições ao consumo de água. A seca desagravou?
Portugal vai reconhecer a Palestina?
Professores. Por que é que há sindicatos que não aceitaram o acordo do Governo?
O que diz o acordo entre professores e o Governo?
Por que é que o Tribunal Penal Internacional pede mandado de captura a Netanyahu?
Quais são as novas regras das transferências bancárias?
Visita "Ad Limina": o que é e em que consiste?
Devia Aguiar-Branco ter reprimido Ventura no Parlamento?
Cristo Rei faz 65 anos. O que sabemos sobre este monumento?
O que esperar do acordo para reduzir o valor do IRS?
Afinal, o Papa vai ou não a Niceia?
O que motivou o ataque ao primeiro-ministro da Eslováquia?
Risco de pobreza aumentou em 2023. Quem são as famílias em maior risco?
Aeroporto Luís de Camões. É desta que a obra é feita?
Porque vai a eletricidade ficar mais cara em junho?
Os Super Dragões terão ficado com bilhetes para benefício próprio?
Hospitais com falhas em medicamento usado para tratar cancro. O que está a ser feito?
Como aceder ao complemento solidário para idosos?
Subida de 50 euros no CSI. Quando é que idosos começam a receber os aumentos?
Por que é que estão a aumentar os casos de tosse convulsa?
Jovens com direito à devolução de propinas devem fazer IRS?
Afinal o acordo de rendimentos do anterior Governo é mesmo para cumprir. O que significa?
José Castelo Branco detido pela GNR. O que se sabe até agora?
Afinal, o Sporting tem 20 ou 24 campeonatos?
Quanto recebem os eurodeputados fora do Parlamento Europeu?
O que é o crime de "traição à pátria" de que Marcelo pode ser acusado pelo Chega?
Quem é o jovem português que incentivava e coordenava massacres online?
Fim do pagamento das ex-SCUT vai avançar? Ou Governo avança com lei travão?
Portagens vão ser eliminadas nas ex-Scut?
Excedente em janeiro passou a défice em março. O que aconteceu?
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.