Tempo
|
Explicador Renascença
As respostas às questões que importam sobre os temas que nos importam.
A+ / A-
Arquivo
Operação Tutti Frutti. Que suspeitas recaem sobre Medina?

EXPLICADOR RENASCENÇA

Operação "Tutti Frutti". Que suspeitas recaem sobre Medina?

24 mai, 2023 • Sérgio Costa


Há dezenas de escutas telefónicas e emails a comprometer os ministros Fernando Medina e Duarte Cordeiro no caso Tutti Frutti. Em causa está a suspeita de crimes como corrupção, prevaricação ou abuso de poder. Há ainda suspeitas de formação de um "bloco central" na combinação de candidatos entre PS e PSD nas Autárquicas de 2017, altura em que Medina era presidente da Câmara de Lisboa.

O Ministério Público terá assumido formalmente suspeitas sobre Fernando Medina, atual ministro das Finanças, por vários crimes em, pelo menos, cinco processos.

Todos os delitos estarão relacionados com a Operação Tutti Frutti, na qual estão implicados alegados atos de corrupção, participação económica em negócio, financiamento proibido de partidos, prevaricação de titular de cargo político, tráfico de influências e abuso de poder.

Para além de Fernando Medina, de acordo com a CNN e a TVI, também o ministro do Ambiente, Duarte Cordeiro, é suspeito por atos em que os dois governantes eram presidente e vice-presidente da Câmara de Lisboa. Ambos são suspeitos: não são arguidos, nem estão acusados.

Os dois ministros são suspeitos de quê, exatamente?

Tendo em conta escutas e vigilâncias, há a suspeita de alegados esquemas de um bloco central de interesses entre PS e PSD. Em causa está a distribuição de dezenas de avenças para trabalhos fictícios e negócios de milhões celebrados com empresas de amigos em ajustes diretos.

Estes esquemas, de acordo com as suspeitas do Ministério Público, só eram possíveis pelo controlo de determinadas juntas de freguesia da capital – umas do PSD e outras do PS.

Também há figuras do PSD envolvidas?

Exatamente. De acordo com o que se sabe da investigação, Fernando Medina terá feito um acordo secreto com responsáveis do PSD, seis meses antes das eleições de 2017, para apresentar candidatos socialistas fracos para que o PSD garantisse o poder em algumas juntas de freguesia de Lisboa.

Em causa está sobretudo Sérgio Azevedo, à altura deputado municipal.

Sabe-se que também há suspeitas a envolver o antigo presidente do Benfica, Luís Filipe Vieira. Que suspeitas são essas?

De acordo com o noticiado, nos emails apreendidos a Fernando Medina, consta uma comunicação em que Luís Filipe Vieira pede uma "cunha" ao mais alto nível para garantir a isenção de IMI para um imóvel do filho.

O pedido do na altura presidente do clube encarnado - do qual Medina é adepto - foi aceite, de acordo com a investigação.

Mas há algo que envolva diretamente o Benfica?

Há. No processo, Sérgio Azevedo, do PSD, também é suspeito por, alegadamente, ter servido de "toupeira", a pedido de Pedro Guerra, comentador de futebol afeto ao Benfica, para obter informações junto da autarquia sobre um processo que isentava o clube da Luz de taxas de milhões de euros.

Os dois ministros já reagiram?

Sim e, sem surpresa, negam os factos descritos. Ambos afirmam nunca ter sido ouvidos pelo Ministério Público.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.