Tempo
|
Explicador Renascença
As respostas às questões que importam sobre os temas que nos importam.
A+ / A-
Arquivo
Onde vive a maioria dos portugueses e como se deslocam para o trabalho?

Explicador Renascença

Onde vive a maioria dos portugueses e como se deslocam para o trabalho?

15 mar, 2023 • Anabela Góis


Segundo o estudo "O que nos dizem os Censos 2021 sobre dinâmicas territoriais", esta quarta-feira apresentado no Instituto Nacional de Estatística (INE), os portugueses são menos, vivem mais no litoral e usam cada vez mais o carro em relação aos transportes públicos nas deslocações de casa para o trabalho.

Porque há cada vez mais gente no litoral?

Há e, ao contrário do que tem sido a aposta prometida por sucessivos Governos de inverter a desertificação do interior, os censos mostram que continuou o movimento da população para o litoral e para as cidades, por oposição ao interior.

Por exemplos, os municípios de Barrancos e Nisa, no Alentejo, Tabuaço e Torre de Moncorvo, no Douro, perderam cerca de 20% da população na última década.

Há outros números que dão bem uma ideia das diferenças: se nas áreas urbanas vivem mais de 450 pessoas por quilómetro quadrado, nas zonas rurais vivem apenas vinte e duas; e nas áreas costeiras vivem seis vezes mais pessoas do que nas restantes.

Isso quer dizer que as pessoas se mudaram, sobretudo, para Lisboa e para o Porto?

Foi mais ou menos isso. O aumento da população verificou-se, em especial, nas periferias das áreas metropolitanas de Lisboa e do Porto, mas também no Algarve.

Das 201 freguesias com mais de mil habitantes por quilómetro quadrado, 76 ficam na Área Metropolitana de Lisboa e 52 na área metropolitana do Porto. Sendo que as três freguesias mais densamente povoadas do país, com mais de 15.000 habitantes por quilómetro quadrado, são as das Águas Livres, na Amadora, Arroios, em Lisboa e a União de Freguesias de Massamá e Monte Abraão, em Sintra. Claro que, em contrapartida, a população diminuiu no resto do território nacional, com pequenas excepções, nomeadamente em algumas cidades de pequena e média dimensão no interior.

Mas isso significa que houve muita gente a mudar de casa?

Muita, só na última década mais de metade da população nacional (51,3%) mudou a residência para outro município. Se olharmos para um período mais curto - entre 2020 e 2021 - foram 13,7%, o que mostra um grande aumento da mobilidade em comparação com 2011.

E o peso dos estrangeiros já se nota?

De estrangeiros ou pessoas que antes viviam no estrangeiro, nota-te um aumento. A nível nacional, a percentagem aumentou de 6,6% em 2011 para 10,3% em 2021. E, já agora, se pensarmos nos trabalhadores sazonais, comprova-se que o município de Odemira é o que tem mais população de fora: quase 6% da população residente no município em 2021, um ano antes vivia no estrangeiro.

Estas mudanças todas são porquê? Por causa do trabalho?

Sim, na maior parte dos casos. A proporção de população empregada num município diferente daquele em que reside aumentou 34,1%. Aliás, em 40 municípios, o número de empregados é superior à população residente que lá trabalha, destacando-se nestes casos Lisboa e o Porto. Já em municípios suburbanos de Lisboa, como a Moita, o Seixal ou Odivelas, é ao contrário - trabalham lá menos de metade das pessoas que lá vivem.

E depois é ver o trânsito. Muita gente continua a preferir o automóvel a andar de transportes públicos?

É uma maioria esmagadora, sete em cada dez portugueses vão de carro para o trabalho. Apenas um em cada quatro vai a pé ou de transportes públicos. E há dez anos eram mais. O que mostra que aumentou o uso do carro para as deslocações diárias e, em todo o país. Isto torna mais difícil atingirmos as metas que o Governo traçou para 2030, que é ter 35% dos portugueses a ir a pé para o trabalho ou para a escola.

Em 2011, 15,6% das pessoas usavam transportes como comboio, autocarro, Metro ou barco, a caminho do trabalho, essa percentagem baixou para 12,2% em 2021.

E basta apresentar aqui uma conta simples para percebemos porquê: quem vai de carro para o trabalho gasta em média 18,8 minutos a fazer o trajeto, a população empregada que anda de transportes coletivos leva bastante mais do dobro do tempo: 43 minutos e meio.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.