Tempo
|
Explicador Renascença
As respostas às questões que importam sobre os temas que nos importam.
A+ / A-
Arquivo
Caupers termina mandato no Tribunal Constitucional. Porque é que pode continuar no cargo?

EXPLICADOR RENASCENÇA

Caupers termina mandato no Tribunal Constitucional. Por que é que pode continuar no cargo?

06 mar, 2023 • André Rodrigues


Nove anos volvidos desde a primeira nomeação de João Pedro Caupers, em 2014, a Constituição dita o final do mandato do juiz no Tribunal Constitucional. No entanto, ainda não há substituto - nem nada que impeça o magistrado de continuar como presidente deste tribunal.

O mandato do presidente do Tribunal Constitucional (TC) chega ao fim esta segunda-feira, mas nesta altura ainda não se sabe se João Pedro Caupers vai ser substituído, ou se vai ficar no cargo até ser nomeado um novo presidente.

A Constituição portuguesa estabelece que o mandato de um juiz eleito para o Tribunal Constitucional tem a duração de nove anos. Terminado esse período, o juiz apenas cessa funções quando for designado um outro para ocupar o seu lugar.

Neste caso, João Pedro Caupers chegou ao Tribunal Constitucional a 6 de março de 2014, tornando-se vice-presidente em julho de 2016 e presidente há dois anos, em fevereiro de 2021.

Acontece que o mandato único de nove anos dos juízes do Tribunal Constitucional começa assim que são nomeados. Logo, matematicamente, o mandato de João Caupers termina esta segunda-feira.

Ainda não se sabe se é substituído ou se mantém até nova nomeação. É inconstitucional?

Não é inconstitucional, embora não siga à letra aquilo que a Constituição estabelece.

Para estes casos, a lei permite que os juízes fiquem em funções até serem substituídos.

Há um prazo para a substituição?

Não. E aí começa um problema que pode, no limite, suscitar questões no plano ético. O ponto 3 do artigo sobre o regime de previdência e aposentação dos juízes do Tribunal Constitucional determina que podem requerer a aposentação desde que preencham os requisitos: 12 anos de serviço, independentemente da idade, ou 40 anos de idade e 10 anos de serviço.

Ou seja, ganham uma pensão de reforma vitalícia, mesmo que não atinjam a idade legal.

É uma situação inédita ou há juízes do Tribunal Constitucional em igual situação?

Neste momento, há outros dois juízes do Tribunal Constitucional que estão em extensão de mandato, para lá dos nove anos fixados pela Constituição. São eles Pedro Machete, vice-presidente do Tribunal Constitucional, e Lino Ribeiro.

Ou seja, o problema é que a Constituição estabelece um prazo limite para estas funções, mas não há nada na lei que impeça que o mandato se prolongue indefinidamente no tempo, situação que pode acabar por facilitar o cumprimento dos critérios de acesso à pensão vitalícia.

O Parlamento não pode intervir nestes casos?

O Tribunal Constitucional é composto por 13 juízes: dez são eleitos pela Assembleia da República, por maioria de dois terços dos deputados presentes. Os outros três são nomeados pelos dez juízes eleitos pelo hemiciclo, tendo de obter uma maioria de sete votos.

Ou seja, o Parlamento não tem competência para substituir juízes do Tribunal Constitucional. É um assunto resolvido entre colegas e sem prazo definido.

O mandato de um juiz do TC pode, então, ultrapassar o limite de tempo?

Pode, pelo menos, estender o mandato indefinidamente, mesmo depois de ter passado os nove anos fixados pela Constituição.

A questão passa por perceber se é possível tornar-se vitalício.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.