Emissão Renascença | Ouvir Online
Explicador Renascença
As respostas às questões que importam sobre os temas que nos importam.
A+ / A-
Arquivo
Afinal, o que vai acontecer às casas devolutas?

Explicador Renascença

Afinal, o que vai acontecer às casas devolutas?

06 mar, 2023 • Fátima Casanova


A proposta de lei, em consulta pública, prevê que os imóveis de uso habitacional classificados como devolutos "podem ser objeto de arrendamento forçado pelos municípios, para posterior subarrendamento no âmbito de programas públicos de habitação".

As propostas de lei do pacote Mais Habitação, anunciado pelo Governo, estão em consulta pública até 13 de março. Entre as medidas previstas neste programa está a disponibilização de mais solos para construir habitação, incentivos à construção por privados ou incentivos fiscais aos proprietários para colocarem casas no mercado de arrendamento. Outra das medidas previstas, é a criação de um novo regime de arrendamento compulsivo de habitações devolutas. A proposta de lei, em consulta pública, prevê que os imóveis de uso habitacional classificados como devolutos "podem ser objeto de arrendamento forçado pelos municípios, para posterior subarrendamento no âmbito de programas públicos de habitação".

O que vai acontecer às casas devolutas?

O Governo quer mesmo avançar com o arrendamento compulsivo e a ideia é que esta medida seja operacionalizada pelas autarquias. Os municípios têm de apresentar uma proposta de arrendamento ao proprietário da casa devoluta, que vai ter dez dias para responder. Caso recuse a proposta para arrendar, os donos de casas devolutas têm 90 dias para dar uso ao imóvel, findo este prazo a autarquia pode avançar com o arrendamento forçado do imóvel.

Como é que as autarquias vão saber que casas não estão habitadas?

O levantamento vai ser feito com a ajuda das empresas de água, eletricidade e gás, que devem enviar às autarquias, todos os anos, uma lista atualizada de ausência de consumos ou de consumos baixos. É isso que vai determinar se a casa está a ser habitada. De salientar que o Governo não considera devolutas as segundas habitações, casas de emigrantes ou de pessoas deslocadas por razões profissionais, de formação ou de saúde.

Se as casas estiverem em mau estado, o que está previsto?

Se essas casas não estiverem habitáveis, o município pode executar as obras necessárias. O que está previsto é que o pagamento dessas obras seja feito por conta das rendas devidas. De qualquer forma, o diploma do Governo prevê que o arrendamento forçado seja realizado preferencialmente sobre imóveis que tenham as condições que possibilitem o seu arrendamento imediato.

Que tipo de apoios estão previstos pelo Governo?

Está prevista a atribuição de um subsídio de renda, que poderá variar entre os 20 e os 200 euros. Esta ajuda vai ser atribuída de forma automática, cabendo à Autoridade Tributaria a responsabilidade de verificar se as famílias cumprem os requisitos - um deles está relacionado com a taxa de esforço da família, que terá de ser superior a 35% do rendimento do agregado.

E as famílias que compraram casa e estão com dificuldades devido à subida das taxas de juro?

Sim, desde que obedeçam a determinados critérios e, também neste caso, a taxa de esforço é um fator essencial, já que tem de ser superior a 35%. Só estão abrangidas as famílias que tenham celebrado contrato de credito à habitação até 31 de dezembro do ano passado e desde que o montante em dívida seja inferior a 200 mil euros.

Outro critério é que o agregado tenha rendimentos até ao sexto escalão do IRS, o que significa um rendimento anual bruto até cerca de 26 mil e 300 euros. Há ainda outra limitação: se o agregado tiver poupanças superiores a cerca de 29 mil e 800 euros fica excluído das ajudas do Governo. Para esta soma entram os depósitos, os planos poupança reforma e os certificados de aforro. Em suma, tudo o que tenha sido poupado pela família. Só obedecendo a todos estes critérios é que a família poderá ter uma bonificação de até 50% do valor pago em juros.

Há medidas para evitar casas arrendadas sobrelotadas?

Sempre que a autarquia detetar situações irregulares, nomeadamente casas sobrelotadas, o proprietário poderá ser multado e avisado para resolver a situação. O senhorio poderá ser chamado a garantir uma alternativa habitacional aos arrendatários. As fiscalizações podem ser feitas pela autarquia a pedido de qualquer interessado.

Afinal, qual é o valor da redução de IRS prevista pelo atual Governo?
Qual o impacto do Programa de Governo na sua carteira?
O novo Governo traz novidades no setor da habitação. O que muda?
Bispos aprovam indemnizações às vítimas de abuso. Mas quando e a quem podem pedir?
Como vai funcionar o suplemento remunerativo solidário, uma das novidades do programa do Governo?
Afinal o que diz o programa do Governo?
ADSE atualizou preços, mas não avisou beneficiários. O que muda?
Hospitais obrigados a permitir acompanhamento de idosos?
As avaliações nas escolas vão ou não ser feitas em modo digital?
Febre do eclipse solar. O que se vai passar na América?
Israel estará prestes a aceitar um cessar-fogo em Gaza. Quais são as condições?
Secretária de Estado recebeu indemnização da CP. O que sabemos?
Livro Verde da Segurança Social propõe fim da reforma aos 57 anos. Que proposta é esta?
Houve ilegalidade no caso das gémeas?
PSD pode continuar a governar mesmo que o Orçamento do Estado seja chumbado?
Estamos a consumir mais droga e álcool em Portugal?
Qual foi o desafio de Montenegro aos partidos para combater a corrupção?
Novo Governo toma posse esta terça-feira. E depois?
Reembolsos do IRS podem ser menores este ano?
O que causou os constrangimentos nas urgências de obstetrícia este fim de semana?
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.