Tempo
|
Explicador Renascença
As respostas às questões que importam sobre os temas que nos importam.
A+ / A-
Arquivo
Educação. Porque é que pais estão a "correr" para inscrever os filhos em colégios privados?

Explicador Renascença

Ensino. Porque é que pais estão a "correr" para inscrever os filhos em colégios privados?

23 jan, 2023 • Miguel Coelho


Há colégios privados com mais pré-inscrições do que é habitual. A estabilidade que o privado pode dar numa altura de greves de professores é valorizada pelos pais.

Esta segunda-feira ficou a saber-se que as escolas e colégios privados já estão com as pré-inscrições praticamente esgotadas para o próximo ano letivo.

No Explicador Renascença, recordamos que o diretor executivo da Associação de Estabelecimentos de Ensino Particular e Cooperativo, Rodrigo Queiroz, disse que há mesmo colégios "com mais pré-inscrições do que é habitual”.

A notícia surge num contexto de greves de professores que deixaram muitos alunos do ensino público sem aulas e escolas com funcionamento incerto.

Porque é que se não se fala em greves no privado?

Nem todos os trabalhadores, docentes e não docentes, estão satisfeitos, mas o que acontece num colégio é que há "um grande alinhamento entre o empregador e o colaborador", segundo o diretor executivo da Associação de Estabelecimentos de Ensino Particular e Cooperativo.

Portanto, o que acontece é que quando a direção de um colégio contrata um professor ou um funcionário, é porque está mesmo interessada naquela pessoa

No particular consegue-se, assim, fazer uma melhor gestão de recursos humanos, com liberdade para dar melhores condições, seja pagando mais, seja atribuindo a liderança de algum projeto.

No ensino publico já não é bem assim.

Porque é que no ensino público isso não acontece?

Nas escolas públicas os professores são colocados na sequência de um concurso nacional mediante uma lista graduada.

Por isso, um professor pode ir parar a uma escola que não quer, num sítio que não gosta, com um ambiente com o qual não se identifica.

O que acontece muitas vezes é que a escola acaba por ser um ponto de passagem, porque em futuros concursos esse docente já pode ficar noutro sítio, com outros alunos.

No ensino privado há uma maior estabilidade?

Sim. Há o que a Associação de Estabelecimentos de Ensino Particular e Cooperativo descreve com uma “estabilidade nas relações com as pessoas”.

Ano após ano, os profesores vão ficando e o relacionamento laboral, muitas vezes, dá lugar a relações de amizade.

Agora, para que isto seja possível, são necessários instrumentos de gestão e autonomia para contratar.

A autonomia não pode facilitar despedimentos?

Sim. É como qualquer empresa privada.

A direção de um colégio tem liberdade para negociar, seja para reter um profissional, seja para o dispensar.

Assim como também tem margem para mexer nos salários.

O Estado paga melhor que o privado?

Há essa perceção e as tabelas remuneratórias são, de facto, mais atrativas no sector público.

Mas nesta fase, como há falta de professores, eles acabam por ter poder negocial e há colégios que estão “a pagar claramente acima da tabela", refere Rodrigo Queiroz.

O diretor executivo da Associação de Estabelecimentos de Ensino Particular e Cooperativo dá como exemplo uma estratégia que tem estado a ser seguida: Contratar o professor de um escalão acima daquele em que se encontra, ou seja, é promovido ainda antes de iniciar funções.

Portanto, os melhores professores - ou os que lecionam disciplinas em que há mais falta de docentes - recebem melhor.

O ensino privado não pode acentuar desigualdades?

Esse é um risco que tem sido apontado por muitos estudiosos da área.

Aliás, foi admitido durante a pandemia e, agora, nesta altura de protestos e greves do pessoal docente e não docente, as escolas estão a viver um período complicado.

A greve por distritos da Fenprof decorre em Castelo Branco, esta segunda-feira. Esta terça-feira vai ser em Coimbra. Para o proximo sábado há manifestação nacional, em Lisboa, convocada pelo STOP.

E, para já, não há perspetiva de quando regressa a normalidade

Existe mesmo uma "corrida" aos colégios privados?

Sim. As famílias estão com receio e milhares de alunos estão sem aulas nas escolas pública.

Ao contrário do que habitualmente acontece, há muitos colégios já com as inscrições esgotadas para o próximo ano letivo.

O diretor executivo da Associação de Estabelecimentos de Ensino Particular e Cooperativo fala num claro investimento que as famílias optam por fazer, sendo que muitas vezes contam até com o apoio dos avós para pagar as mensalidades.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Cidadao
    24 jan, 2023 Lisboa 11:00
    Que delicodoce! Porque é que se não se fala em greves no privado? Ora, ora. Não se fala em greve, não porque estejam todos satisfeitinhos da vida - basta ver o que acontecia nos colégios GPS. Não fazem greve porque iam logo para a rua e sem indemnização, nada mais. Se as coisas se passassem como nesta entrevista delicodoce em tons de cor-de-rosa, os professores do público, em peso, estariam a candidatar-se ao privado, e não é isso que acontece.
  • Joaquim Correto
    23 jan, 2023 Paços 21:48
    Isso é mentira!