Tempo
|
Explicador Renascença
As respostas às questões que importam sobre os temas que nos importam.
A+ / A-
Arquivo
Certificados de aforro rendem cada vez mais. Porque é que os bancos não acompanham?

Explicador Renascença

Certificados de aforro rendem cada vez mais. Porque é que os bancos não acompanham?

24 jan, 2023 • Sandra Afonso


Há quem espere horas nas agências dos CTT para subscrever certificados de aforro, um dos produtos de poupança do Estado, que regista uma procura histórica. Entenda porquê neste explicador Renascença.

A remuneração dos certificados de aforro já ultrapassa os 3%, mas vai acabar por parar.

Há quem espere horas nas agências dos CTT para subscrever certificados de aforro, um dos produtos de poupança do Estado, que regista uma procura histórica.

O motivo são os juros associados, que na série E, a que está em subscrição, chegaram em janeiro a 3,088%, mas está previsto um limite. Entenda o que está em causa com este Explicador Renascença.

Qual o teto da remuneração paga pelos certificados de aforro?

O retorno não vai além dos 3,5%, que é o limite previsto para estes produtos.

Quando deverá ser atingido o juro máximo?

Tendo em conta o que tem sido a evolução das taxas de juro, no primeiro semestre deverá ser atingido o retorno máximo neste produto de poupança.

Entre janeiro de 2022 e janeiro de 2023 a remuneração dos certificados de aforro passou de 0,41% para 3,09%. Ou seja, aumentou mais de sete vezes.

Como são calculados os juros?

São fixados mensalmente, tendo por base a média da Euribor a três meses, nos últimos dez dias, a que se soma um prémio de 1%.

Durante mais de 7 anos a Euribor a 3 meses esteve negativa, o que afastou muitos aforradores destes certificados. Agora é o produto de poupança do Estado com mais procura e um dos mais rentáveis, na categoria dos menos arriscados.

Porque é que os certificados do tesouro não subiram também a remuneração?

Porque a base de cálculo dos juros é diferente. Nos certificados do tesouro, o retorno está associado ao crescimento da economia, ou seja, ao Produto Interno Bruto.

Contas feitas, a remuneração líquida destes certificados está abaixo de 1%.

E os bancos? Porque é que os depósitos não acompanham as taxas de juro?

Aqui não existe nenhum mecanismo automático, de acompanhamento das decisões do Banco Central Europeu. A remuneração dos depósitos, ou do dinheiro dos clientes, é uma decisão exclusiva de cada banco.

O governador do Banco de Portugal tem deixado vários recados aos banqueiros, para que remunerem os depósitos, mas não é ouvido.

Em entrevista à RR, Mário Centeno admitiu que não tem capacidade de intervenção nesta matéria, não pode ir além das recomendações.

Como estão a ser remunerados os depósitos bancários?

Nesta altura, o dinheiro parado na conta é onde rende menos. Os juros médios não chegam a meio %.

Segundo o supervisor, os juros médios aplicados aos novos depósitos passaram de 0,05% em setembro, para 0,35% em novembro.

Não é do interesse dos bancos subir os juros para evitar o levantamento dos depósitos?

Com a pandemia, a economia viveu uma longa paragem, em que as famílias e empresas acumularam poupanças, sobretudo nos cofres dos bancos. Foram atingidos máximos históricos nos depósitos e as instituições financeiras acumularam liquidez.

A guerra na Ucrânia e a inflação vieram travar a recuperação, o que prolongou esta situação de liquidez.

Os bancos têm dinheiro, não precisam de pagar aos clientes para que depositem as poupanças. Por isso, não estão interessados em subir os juros dos depósitos.

E o Estado, vai continuar a remunerar os certificados de aforro com juros altos?

A expectativa do mercado é que as condições de subscrição dos certificados de aforro sejam revistas, a qualquer momento. Não seria a primeira vez que o Estado alterava os critérios de adesão, quando começa a pagar mais do que antecipava.

Na verdade, em 2022 o Ministério das Finanças já captou o triplo do montante esperado com os produtos de poupança, tudo graças aos certificados de aforro.

O que acontece a quem já tem Certificados de Aforro?

Se e quando mudarem as regras, só se aplicarão a novas subscrições. Os produtos já adquiridos não sofrem qualquer alteração.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.