Tempo
|
Em Nome da Lei
O direito e as nossas vidas em debate. Um programa da jornalista Marina Pimentel para ouvir sábado às 12h.
A+ / A-
Arquivo
Em Nome da Lei (24/10/2015)

Advogado de José Sócrates no Em Nome da Lei

24 out, 2015


O Em Nome da Lei debate o mais mediático dos processos judiciais. A Operação Marquês conta 10 arguidos constituídos, entre os quais, pela primeira vez na história, um ex-primeiro-ministro e a promessa de mais nomes mediáticos a anunciar.

Na semana em que terminou o prazo para ser concluído o inquérito, foi finalmente dado acesso aos autos aos advogados de José Sócrates e o antigo primeiro-ministro faz a sua primeira intervenção pública desde que foi detido.

No programa, o advogado de José Sócrates garante que “não há, no processo, factos relativos à prática de crimes de corrupção”.

Depois de ter tido esta semana acesso aos 55 volumes do processo, João Araújo diz que “o Ministério Público não consegue provar a sua tese de que Sócrates recebeu luvas para facilitar negócios, quando era primeiro-ministro”.

No entanto, o advogado admite que “a situação de Sócrates poderia ser diferente se Portugal tivesse no seu ordenamento o crime de enriquecimento ilícito”.

São convidados do Em Nome da Lei, além de João Araújo, Pedro Garcia Marques, professor de Direito Penal na Universidade Católica, e Pedro Duro, um advogado penalista que foi monitor de Penal na Faculdade de Direito de Lisboa.

Pedro Garcia Marques defende que “a lei devia prever uma sanção quando o procurador titular do processo não cumpra os prazos o inquérito” e o advogado Pedro Duro explica que as escutas são instrumentais. “Não valem por si como elemento de prova”.

No programa participou esteve também o comentador habitual do Em Nome da Lei Luís Fábrica.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.