Conversas na Bolsa
Grandes debates e conversas no Palácio da Bolsa, no Porto. Organizadas pela Associação Comercial do Porto com o apoio da Renascença
A+ / A-
Arquivo
"Conversas na Bolsa", com Francisco Calheiros

"Conversas na Bolsa"

​Turismo de Habitação quer mais apoio

04 nov, 2022 • Núria Melo


O presidente da TURIHAB - Associação do Turismo de Habitação, Francisco Calheiros, foi o convidado de nova edição do "Conversas na Bolsa".

O presidente da TURIHAB - Associação do Turismo de Habitação, Francisco Calheiros, defende a necessidade de o setor beneficiar de mais apoios ao Governo

A pretensão foi manifestada esta sexta-feira, em nova edição do "Conversas na Bolsa", no Porto, organizadas pela Associação Comercial do Porto com o apoio da Renascença.

Francisco Calheiros diz que o Governo se tem esquecido de apoiar o Turismo de Habitação e apela ao executivo para dar o devido destaque que o interior e o rural merecem.

Desta forma, o presidente Associação do Turismo de Habitação espera que o PRR seja "uma forma de investir no património e valorizar o país".

Francisco Calheiros lembra que "não faltam casas para recuperar e que a qualidade e atratividade dá destaque ao turismo de Portugal".

Apesar das visitas serem maioritariamente de turistas, com a pandemia os portugueses redescobriram o país e a tendência parece ter vindo para ficar.

No Conversas na Bolsa desta sexta-feira, Francisco Calheiros realçou ainda a qualidade humana de Portugal e lembra que isso é um ponto diferenciador para o Turismo.

No futuro, as preocupações passam pela "autossustentabilidade das casas", disse o presidente da TURIHAB.

Francisco Calheiros salienta que o futuro passa também pela valorização da água e lembrou a importância de criar circuitos no turismo de habitação.

O norte do país está "dividido por Comunidades Intermunicipais", que, para Francisco Calheiros, "não respondem de forma positiva às necessidades da região".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.