Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Conversas Cruzadas
Programa sobre a atualidade que passa ao domingo, às 12h00.
A+ / A-
Arquivo
Cereais como arma de guerra

Conversas Cruzadas

Cereais como arma de guerra

22 mai, 2022 • José Bastos


José Alberto Lemos, Nuno Botelho e Eduardo Baptista Correia na análise da guerra na Ucrânia e da retoma do turismo em Portugal.

A batalha de Mariupol vai ocupar um lugar destacado na história da invasão russa. A resistência ucraniana atingiu ali as suas cotas mais elevadas, depois de centenas de combatentes, escondidos nos túneis da siderurgia Azovstal, terem mantido ocupados durante semanas os soldados russos, restringindo a sua capacidade de se manterem concentrados noutras latitudes.

Mas também é verdade que Mariupol pode ser reclamada como uma vitória de Putin, por mais que o líder russo tenha reduzido a escombros uma cidade de 450 mil habitantes como, antes, já havia destruído Grozny ou Aleppo.

Ainda que o valor estratégico do principal porto ucraniano no mar de Azov seja inquestionável, a sua influência no curso da guerra pode depender mais das vantagens simbólicas que cada um dos lados possa daí extrair do que da utilidade real de uma cidade em ruínas.

Mas cada vez mais o futuro da guerra parece ser decidido no Donbass, depois dos russos terem sido expulsos de várias regiões – e numa altura em que o bloqueio dos portos de Mariupol e Odessa está a impedir a exportação de milhares de toneladas de cereais para a alimentação de alguns dos países mais pobres do mundo.

Como consequência da atitude de Putin, o aumento da fome e da insegurança alimentar pode agravar ainda mais as profundas crises económicas e os conflitos em algumas das zonas mais instáveis da África e do Médio Oriente – um cenário assustador que levou já a vários alertas das Nações Unidas. Só o programa alimentar da ONU, o PAM, a chegar a 125 milhões de pessoas em todo o mundo, compra 50% de todos os cereais à Ucrânia.

Do lado russo, na última sexta-feira, o Kremlin fez saber que uma eventual abertura dos portos no sul da Ucrânia teria de ser compensada com o fim das sanções à Rússia. Assim, o Kremlin está a ser acusado de usar a alimentação de milhões de pessoas em países pobres como arma de guerra no conflito. Quão grave pode ser este ângulo numa guerra cheia de zonas de penumbra?

A análise é de José Alberto Lemos, Nuno Botelho e Eduardo Baptista Correia.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Cidadao
    22 mai, 2022 Lisboa 11:11
    Como já disse, enquanto o conflito for Ucrânia v.s. Rússia a NATO deve manter-se de fora, embora ajudando o País vitima. Se a Rússia lança nos pratos da balança " ou levantam as sanções ou bloqueio as exportações para todo o Mundo", aí a conversa é a Rússia a declarar guerra ao Mundo. É enviar uma frota mercante poderosa para trazer esses 25 milhões de toneladas de cereais, sob proteção de todas as Marinhas de guerra Europeias e não só. E se os Russos tentarem alguma coisa, uns tiros terão de ser disparados.