Tempo
|
Conversas Cruzadas
Programa sobre a atualidade que passa ao domingo, às 12h00.
A+ / A-
Arquivo
O estado da nação - Conversas Cruzadas
O estado da nação - Conversas Cruzadas

CONVERSAS CRUZADAS

O estado da nação

18 jul, 2021


Nuno Botelho, Nuno Garoupa e Luís Aguiar-Conraria na análise da atualidade.

O parlamento debate na próxima quarta-feira o estado da nação, a começar pelo momento vivido na luta contra a pandemia. Com a ressalva de se tratar de um fenómeno imprevisto, os manuais não estavam escritos, foi um combate feito pelo governo em circunstâncias políticas favoráveis: oposição e presidente em franca colaboração.

Ainda assim, a fase é de algum desnorte nas medidas. Algumas resistem 15 dias, outras nem tanto. Desta semana não se registaram alterações de fundo, apenas a novidade dos testes vendidos em supermercados e as atenções voltam-se para o dia 27, em nova reunião do Infarmed.

A corrida disputa-se entre a vacinação e a testagem para controlar o impacto da pandemia no SNS, mas a fase é de saturação dos cidadãos. A vacinação corre bem, mas o monstruoso edifício burocrático construído a cada dia é tudo menos simples e com regras fáceis de assimilar – tudo ao contrário dos manuais de comunicação de crise: clareza e simplicidade nas medidas.

Porquê insistir neste modelo? Porquê a aparente ausência de racionalidade e eficácia em algumas medidas? Porquê erros sucessivos nas análises de risco e insuficiências na prevenção? Porquê passar um misto de ameaça/medo? Para sinalizar o risco e o cenário não se descontrolar tanto quanto poderia?

As análises a estas questões e às críticas de Marcelo ao PRR - Plano de Recuperação e Resiliência e ao rumo estratégico do governo para a economia são de Nuno Garoupa, professor da GMU Scalia Law, Nuno Botelho, presidente da ACP – Câmara de Comércio e Indústria e Luís Aguiar-Conraria, professor da Universidade do Minho.

A incerteza
05 dez, 2021

A incerteza

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.