Tempo
|
Casa Comum
A política nacional e europeia em debate à quarta-feira às 13h05 e às 23h20
A+ / A-
Arquivo
Orçamento “vai merecer o chumbo por parte do PSD”

Casa Comum

França dividida na posição a assumir pela UE

20 abr, 2022 • Manuela Pires , com redação


No plano europeu, análise ao Plano de Recuperação e Resiliência e à influência das eleições presidenciais francesas na UE. A nível interno, o Orçamento de Estado “vai merecer o chumbo por parte do PSD”. A posição foi assumida pelo presidente do Conselho Estratégico do partido, Joaquim Miranda Sarmento.

A proposta de Orçamento do Estado para 2022 (OE2022) “vai merecer o chumbo por parte do PSD”, avança o presidente do Conselho Estratégico do partido, Joaquim Miranda Sarmento.

Em declarações ao programa Casa Comum, da Renascença, o economista social-democrata deixa duras críticas ao OE2022.

Joaquim Miranda Sarmento considera que o documento apresentado pelo ministro das Finanças, Fernando Medina, não responde à subida da taxa de inflação e a outros problemas da economia portuguesa.

“Quando olhamos para os dados, nós vamos viver alguns anos com inflação. Claro que não é inflação dos anos 70 ou 80, de 20% ou 30%, mas poderá ser uma inflação de 4% ou 5%”, adverte.

“É um Orçamento que vai merecer o chumbo por parte do PSD, por isto e por outras razões, porque não tem uma estratégia de crescimento económico, de aumento de competitividade da economia portuguesa, não há um espírito de reformas estruturais para combater os estrangulamentos da competitividade e da produtividade da economia portuguesa”, sublinha Joaquim Miranda Sarmento.

A deputada socialista Jamila Madeira foi a outra convidada do programa Casa Comum, que debateu também o Programa de Estabilidade (PE) e a segunda volta das eleições presidenciais em França.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.