Henrique Raposo
Opinião de Henrique Raposo
A+ / A-

NEM ATEU NEM FARISEU

O presépio cheira mal

24 nov, 2017 • Opinião de Henrique Raposo


Quando viciamos as nossas crianças nos presépios fofinhos, perfeitinhos e perfumados, estamos a negar-lhes a grande lição da manjedoura e do estábulo: Deus vem ao mundo num local miserável.

Quando estamos no campo e por acaso passamos junto de estábulos ou currais, faço sempre questão de alertar as minhas filhas para uma evidência bíblica que é difícil de entender na bolha asséptica da cidade: “Jesus nasce num sítio assim, com este cheiro e tudo”. Convém sempre recordar que o presépio não é um arranjo floral, é um curral que cheira mal. Jesus não nasce num spa de massagistas celestiais, nasce no meio do esterco nauseabundo de animais. Quando viciamos as nossas crianças nos presépios fofinhos, perfeitinhos e perfumados, estamos a negar-lhes a grande lição da manjedoura e do estábulo: Deus vem ao mundo num local miserável. É esta a sua radical humildade. Quando permite o cruzamento entre a sua trajectória eterna e a nossa trajectória histórica, Deus escolhe para intersecção destas duas linhas temporais um local que é a negação das nossas lógicas de poder. Deus todo-poderoso recusa nascer como príncipe num palácio, como mercador numa mansão ou como general num castelo. Ao nascer na periferia da periferia, entre os clandestinos dos clandestinos, Ele diz-nos logo à partida que o Reino não se rege pelas lógicas óbvias do poder e da natureza. O Reino não tem a gramática da natureza, até porque o homem não é um mero animal.

Esta revolução moral ainda hoje não é compreendida em absoluto até por nós, cristãos, tal é a magnitude da revelação. Mas então Deus nasce num estábulo? Que jeito é que isso tem? Então Ele nasce junto de pastores, num curral feito de madeira não trabalhada, rude, com lascas e farpas nada acolhedoras e com um chão composto por uma pasta de lama, palha, esterco e urina? E aparece sozinho? Onde é que estão os exércitos celestiais de serafins e querubins que poderiam facilmente vencer as quadrigas dos corruptos e tiranos? Então o berço do Deus omnipresente e omnisciente é uma manjedoira onde os animais comem? A verdade é que Deus não quer saber do nosso escândalo incrédulo. Ela entra na história no mais absoluto desprezo pelas regras da nossa verosimilhança. É um Deus inverosímil. A fonte da nossa fé é esta radical, bela e verdadeira inverosimilhança.

O desafio às nossas grelhas de leitura continua no perfil que Ele escolhe para si mesmo. Deus não vem ao mundo já formado, qual titã, qual Adamastor ou Golias; vem ao mundo na forma de um bebé indefeso. O Deus que criou as leis da física que sustentam os anéis de Saturno e que movimentam os gases de Andrómeda é o Deus que escolhe ser a criatura mais frágil e desprotegida de todo o universo, uma criatura que nasce sem garras ou carapaças e que demora anos até atingir um módico de independência, uma criatura que pode ser destruída pelos homens, por um homem, por mim, por si, caro leitor. Mas que Deus omnipotente é este? O que está Ele a dizer? Está a dizer-nos que a gramática certa não é a acumulação vertical de poder, mas sim a partilha horizontal de misericórdia. Não há senhores e súbditos, só irmãos. A salvação não depende da acumulação de dinheiro (poder material) ou de honrarias ou hierarquias snobes (poder social). Não vale a pena ter uma lógica snobe ou arrivista, porque a salvação não se joga na conquista vertical da pirâmide social. Logo no presépio, e mais tarde no lava pés, Jesus representa a suspensão das leis físicas, objectivas e mensuráveis do poder. Ou seja, Jesus é a suspensão das leis da natureza, a começar na predação. “Então o lobo habitará com o cordeiro, e o leopardo deitar-se-á ao lado do cabrito; o novilho e o leão comerão juntos, e um menino os conduzirá” (Is 11, 6). É uma ironia de Deus – mais uma - que esta suspensão das leis da natureza no seio dos homens seja consumada num local tão empestado pelos cheiros naturais.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • DIOGO
    07 dez, 2017 ÉVORA 17:33
    Dª Anabela, lamento contrariá-la, mas o seu discurso odioso esconde uma realidade: Jesus é de facto Deus. Quanto ao texto está muito bem escrito e enaltece a humildade de Jesus (que é Deus) e a seu amor pelos humildes.
  • Anabela
    29 nov, 2017 Quinta do Anjo 15:28
    Texto elaborado com um português completamente mal formado, com um conhecimento de valor 0,... Eu até entendo qual mensagem este senhor quer passar mas não teve o menor conhecimento na sua escrita, ele confunde cheiros, e pior ainda ele confunde várias vezes Jesus com Deus, pra não falar em mais detalhes.....
  • João Lopes
    27 nov, 2017 Viseu 22:21
    Excelente análise de HR: «a gramática certa não é a acumulação vertical de poder, mas sim a partilha horizontal de misericórdia. Não há senhores e súbditos, só irmãos. A salvação não depende da acumulação de dinheiro (poder material) ou de honrarias ou hierarquias snobes (poder social)». Amar é servir…sem mais!
  • Vasco Neves
    27 nov, 2017 Gondomar 22:14
    Os meus parabéns ao autor do artigo. Revela uma profundidade de análise extraordinária... deixando ao mesmo tempo sobressair uma grande visão da fé. Obrigado Henrique Raposo, sou enfermeiro e desde a sua célebre publicação sobre os enfermeiros nunca dei muita importância aos seus comentários... Feliz Natal para toda a equipa , para mim esta reconciliação foi uma boa forma de experimentar o nascimento de Jesus! Muito obrigado
  • Mara
    26 nov, 2017 Portugal 12:56
    Com a vaidades colocadas actualmente à volta do Presépio até o Santo de Assis o primeiro que teve a iniciativa do representar diria se cá voltasse: Não devia ter feito o Presépio vivo na Umbria, com os irmãos e irmãs simples como José e Maria, os irmãos animais, iluminados pelas Estrelas e Lua, Presépio que os homens copiaram e destruíram a grande Lição de Humildade e Amor que Jesus Veio dar ao Mundo! Parabéns por mais este excelente artigo.
  • Vera
    25 nov, 2017 Palmela 15:31
    Eu julgava que só as pocilgas é que cheiram mal, porque os porcos gostam de chafurdar! Os estábulos cheiram a feno e a animais! é lógico que os animais têm um cheiro característico deles, aliás, os homens também têm um cheiro característico! alguns tomam banho, outros perfumam-se, para fingir que estão limpos! e há ainda outros, que basta só abrir a boca, que já cheira mal a léguas de distância...
  • Gomes Leal
    25 nov, 2017 Lisboa 08:19
    Caramba, Sr. Domingos Simões. Para gostar de um texto como este, é preciso ler muito... muito mal. O seu gosto literário [permita-me] está entre José Rodrigues dos Santos e Margarida Rebelo Pinto [com pózinhos das Pupilas do Senhor Reitor de Júlio Dinis]. Mais cuidado com as ditas leis que «sustentam os anéis de Saturno e que movimentam os gases de Andrómeda», porque estas só podem vir de uma cabeça totalmente deformada, em termos literários.
  • Domingos Simões
    24 nov, 2017 Caldas da Rainha 18:25
    Agradeço muitissimo a Henrique Raposo pela maravilha deste texto, de conteúdo tão extenso quanto profundo. Bam haja, sempre!
  • Alexandre
    24 nov, 2017 Lisboa 15:09
    Através deste artigo percebemos que os filhos de Henrique Raposo são educados como se vivessem num quartel militar. «Isto é uma manjedoura! As manjedouras cheiram mal!» Terrível, muito terrível... quase ao nível do filme «Vlad, o desconhecido».
  • pita
    24 nov, 2017 14:31
    «Jesus nasce num sítio assim, com este cheiro e tudo.» Como João César das Neves escreveu em "Contos de Natal", em 1999: (...) O ateísmo militante seria fundamentalista, seria contra a tolerância e a democracia, axiomas fundamentais do nosso tempo. Por isso, se Deus quiser nascer como um menino, o homem do nosso tempo dá-lhe o direito constitucional de o fazer. (...) Abraço!