Nota de Abertura
A+ / A-

O sínodo dos bispos

09 out, 2015 • Opinião de Nota de Abertura


Onde não há família não há sociedade verdadeiramente humana, digna, acolhedora.

As notícias, debates e opiniões a propósito do Sínodo sobre a Família que decorre no Vaticano confirmam a importância do tema e o interesse que as posições da Igreja suscitam.

Amada, mas tantas vezes atacada e desprotegida, a família continua a ser base essencial das sociedades.

Onde não há família não há sociedade verdadeiramente humana, digna, acolhedora.

Importa reconhecer que a evolução da sociedade tem condicionado a família. E a Igreja não fecha os olhos à realidade. A complexidade da vida social pede esta atitude de constante acolhimento e diálogo, até no modo de propor e anunciar; e tal atitude é um dever permanente da Igreja.

Mas acolher e dialogar não significa mudar a proposta da Igreja sobre a família, afeiçoando-a aos gostos e desejos particulares de cada época. Nem se espere do Sínodo uma espécie de operação de marketing, destinada a vender e promover um produto, como legitimamente se faz no mercado. A lógica da Igreja não é, nem pode ser essa.

A recusa de uma lógica de mercado no anúncio da verdade, não impede porém, que a Igreja saiba cada vez mais acolher e abraçar, como diz o Papa Francisco, “as situações de vulnerabilidade” que põem a família à prova: “a pobreza, a guerra, a doença, o luto, as relações feridas e desfeitas de que brotam contrariedades, ressentimentos e rupturas”.

Só assim será possível compreender as diferenças e os acidentes que as famílias experimentam ao longo da vida, nos contextos em que são chamadas a viver.

Antes ou depois do Sínodo, haverá sempre quem não concorde com o olhar da Igreja sobre a família. Mas importa que nesse olhar sempre se reconheça o amor; que é também, por excelência, a base e a identidade da vida familiar.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • António Costa
    10 out, 2015 Cacém 09:50
    Só se podem RESOLVER os problemas quando estes são percebidos e compreendidos. Na sua Origem. SEM MEDOS! "Uma MENTIRA só pode atingir profundidade, se trouxer à mistura qualquer coisa de verdade", disse uma vez o Poeta António Aleixo. E os Grandes Problemas Sociais SÓ EXISTEM porque se teima, por cobardia em PARTIR PARA A AÇÃO baseados em CONDIÇÕES INICIAIS FALSAS! Se existir uma família A MENTIRA fica visivel, EXPOSTA! Não "dá jeito nenhum" a uma sociedade onde se governa BASEADO na mentira que haja famílias coesas e unidas.