Renascença Ouve +
A+ / A-
Ano Europeu do Desenvolvimento

Agosto é o mês dedicado à Ajuda Humanitária


2015: um ano para mudar o mundo
Desastres naturais, guerra, conflitos, violência. A maioria dos países em desenvolvimento não está preparada para lidar com situações extremas, por isso, em Agosto, destacamos a importância da ajuda Humanitária.
As informações que partilhamos consigo fazem com que 2015 - Ano Europeu para o Desenvolvimento – seja um ano para despertar consciências e tornar o mundo um lugar mais justo.
Alguns dados que convém reter, para tentarmos que a história não se repita:

- O conflito sírio é o exemplo mais dramático e deu origem à maior crise humanitária do mundo desde a Segunda Grande Guerra. Mais de 12 milhões de pessoas precisam de apoio no interior da Síria. Estima-se que sejam mais de 7 milhões e meio os deslocados. 4 milhões fugiram para países vizinhos.

- O número de desastres climáticos triplicou nos últimos 30 anos. À medida que as alterações climáticas interagem com problemas sociais, económicos e políticos e que a luta por recursos escassos se intensifica, aumenta o risco de conflitos.

- Por causa da Guerra e da violência, mais de 50 milhões de pessoas estão neste momento desalojadas. Mais de metade no seu próprio país.

- Estima-se que num futuro próximo meia centena de  países seja afectada por conflitos, tornando cerca de 3 mil milhões de pessoas vulneráveis a perseguições ou a deslocamentos.

- Em 2014, por dia, 42 mil pessoas foram forçadas a abandonar as suas casas em busca de protecção, dentro das fronteiras nacionais ou noutros países.

- Na última década, tanto o número de pessoas a precisar de ajuda humanitária como o custo de as ajudar aumentaram significativamente.


A União Europeia é o maior prestador de ajuda internacional pública do mundo. Hoje, mais que uma resposta pós-crise, pretende-se que haja um foco na sua prevenção.
A pensar nesse futuro, Istambul recebe em Maio de 2017 a primeira Cimeira Humanitária Mundial. Para pensar novas formas de salvar vidas e diminuir o sofrimento global.

 


O Ano Europeu do Desenvolvimento (AED) é uma iniciativa que vai decorrer durante o ano de 2015 em todos os países da União Europeia, com o mote “O nosso mundo, a nossa dignidade, o nosso futuro”. O Ano Europeu para o Desenvolvimento foi proclamado em 2015 e tem na sua origem os Objetivos de Desenvolvimento do Milénio. Estes objetivos foram definidos em 2000, na Cimeira do Milénio, onde estavam reunidos os dirigentes mundiais que se comprometeram a atingir um conjunto de objetivos referentes a questões como a pobreza, o ambiente e o desenvolvimento.

Em 2015, tornou-se necessária uma nova Agenda de Desenvolvimento Global e neste sentido surgiu o Ano Europeu para o Desenvolvimento. O objetivo passa por informar, sensibilizar e promover o interesse, a participação ativa e o pensamento crítico dos cidadãos europeus relativamente ao desenvolvimento global.

Ano Europeu do Desenvolvimento em Portugal:
A entidade coordenadora do Ano Europeu do Desenvolvimento para Portugal é o Camões – Instituto de Cooperação e da Língua e a embaixadora desta iniciativa a actriz Cláudia Semedo.

A Renascença vai dar-lhe conta das várias iniciativas do Ano Europeu do Desenvolvimento ao longo dos próximos meses. No mês de Julho estiveram em destaque as crianças e os jovens, em Junho o Crescimento verde e sustentável, emprego digno e empresas e em Maio o destaque foi para a paz e a segurança.  

Saiba mais sobre o Ano Europeu para o Desenvolvimento AQUI!

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.