Tempo
|

Renascença Ouve +
A+ / A-

12 julho 2022

Lápis

Carlos Bastos


Na Segunda Guerra Mundial os soldados andavam com lápis para escreverem para casa, para deixarem mensagens aos seus companheiros e, em último caso, o lápis podia servir de arma. Era prático, resistente e nunca se avariava. Aliás, foi criado nessa altura um lápis especial que os soldados podiam usar para escapar dos campos de prisioneiros de guerra. Esses lápis tinham um pequeno mapa escondido no interior e uma minúscula bússola por baixo da borracha. Mas funcionava! O inventor desses lápis secretos, e de muitas outras coisas, viria a ser a inspiração para “Q” o famoso criador de gadgets nos filmes de James Bond. Não vamos falar mais de 007, mas vamos falar de lápis.

Lápis

São 12 meses, 52 semanas, 365 dias (mais um de bónus a cada 4 anos), com milhões de factos estapafúrdios sem efeitos secundários para o seu cérebro. Bem, em princípio.

Clique. Coragem, vá lá, clique. Afinal é só Um Dia na História.

Não pode fazer mal, pois não?

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.