|

Renascença Ouve +
A+ / A-

Conteúdo Patrocinado

A Pneumonia mata. Saiba como se prevenir

11/11/2019 • Ana Marta Domingues


Aconselhe-se com um profissional sobre a sua saúde respiratória e fique a saber mais sobre prevenção. Portugal é o país europeu com maior taxa de mortalidade por Pneumonia, doença prevenível por vacinação.

Sabia que a 12 de Novembro se assinala o dia mundial da pneumonia? E que a vacinação é a principal forma de prevenção?

Este ano, a 12 de novembro, o Movimento Doentes pela Vacinação vai estar na Praça da Figueira entre as 9h00 e as 18h00 com um rastreio gratuito. Se estiver em Lisboa, aproveite. Faça todos os exames sem custos adicionais: espirometrias, oximetrias, testes de colesterol e glicémia, bem como testes tabágicos.

Se não puder estar neste rastreio, aconselhe-se com um profissional de saúde sobre a sua saúde respiratória e fique a saber mais sobre a prevenção indicada para si.

A pneumonia mata, em média, 23 pessoas por dia nos hospitais portugueses. Não faça parte desta estatística!

Estar atento à sua saúde respiratória e saber mais sobre prevenção é a melhor forma de respirar bem e de alívio por evitar uma pneumonia.

12 de novembro é um dia especial no calendário e foi criado para chamar a atenção para a prevenção e para os grupos de risco. Sabia que a pneumonia é a principal causa de morte nas crianças com menos de 5 anos e causa mais mortes no mundo do que a malária, HIV, zika, tuberculose e ébola em conjunto?

O risco de contrairmos Pneumonia aumenta quase 100 vezes nesta altura do ano. Um cenário agravado pelo pico da Gripe, por si só potenciadora da doença, e pelas próprias circunstâncias do nosso país onde, segundo o Observatório Nacional das Doenças Respiratórias, se registam 57 óbitos por Pneumonia por cada 100.000 habitantes, o dobro da média na União Europeia. Portugal é, atualmente, o país europeu com maior taxa de mortalidade por Pneumonia, doença prevenível por vacinação. Mais do que tratar uma Pneumonia, devemos evitá-la e a vacinação antipneumocócica é forma mais eficaz de o fazermos. Saiba mais aqui. Os que merecem mais cuidados nesta altura do ano são as crianças pequenas e as pessoas a partir dos 65 anos, que têm maior probabilidade de contrair pneumonia, tal como quem tem asma, doença pulmonar obstrutiva crónica (DPOC), diabetes, doença oncológica, e doenças crónicas cardíacas, hepáticas e renais.

De acordo com a Fundação Portuguesa do Pulmão, relativamente às pneumonias, verificam-se dois dados epidemiológicos relevantes:

· O microrganismo mais vezes implicado continua a ser o pneumococo, para o qual existe uma vacina, a vacina antipneumocócica;

· Existe uma relação direta entre a gravidade/mortalidade da doença e o início tardio do tratamento

Estas realidades levam, neste dia, a Fundação Portuguesa do Pulmão a propor às autoridades da Saúde as seguintes medidas:

· Que se implementem medidas que permitam melhorar a acessibilidade de todos os doentes ao SNS. Dificuldades nessa acessibilidade significam que muitos doentes vão ser diagnosticados e tratados já em fase tardia da doença, com muito pior prognóstico e maior mortalidade.

· Que sejam incluídos nos grupos epidemiológicos com acesso gratuito à vacina antipneumocócica, todos os doentes que sofram de doenças respiratórias crónicas: insuficiência respiratória crónica, DPOC, enfisema, asma brônquica (sob corticoterapia sistémica ou inalada crónica), bronquiectasias, fibrose quística e pneumoconioses. Incluir este grupo de doentes naqueles que são abrangidos pela vacinação gratuita, diminuirá significativamente a incidência de pneumonias num grupo que é dos mais vulneráveis.

Para a população em geral, sobretudo se fizer parte do grupo de risco, o melhor é sempre aconselhar-se com um profissional sobre a sua saúde respiratória e descobrir como se prevenir, a si e a toda a família.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.