|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

O Mundo em Três Dimensões
Números que contam histórias de segunda a sexta-feira (05h40, 17h50 e 21h05).
A+ / A-
Arquivo
O Mundo em Três Dimensões - Trabalhadores industriais - 27/06/2019
O Mundo em Três Dimensões - Trabalhadores industriais - 27/06/2019

O Mundo em Três Dimensões

Mais de 400 mil empregos vão desaparecer no Norte de Portugal até 2030

27 jun, 2019 • André Rodrigues , Paulo Teixeira (sonorização)


Tudo por causa da automatização, dos robots e da inteligência artificial. No total do país, a perda deverá ser de mais de um milhão.

A Confederação Empresarial Portugal (CIP) acaba de apresentar um estudo, segundo o qual a região Norte será a que mais vai sofrer com a entrada progressiva dos robôs e da inteligência artificial no mercado de trabalho em Portugal.

É um número a reter neste dia dedicado aos trabalhadores industriais. Em Portugal, 910 mil portugueses têm empregos ligados ao setor tecnológico. Parece muito, mas ainda fica abaixo da média europeia.

Daqueles 910 mil, 90 mil são na manufatura e metade na indústria têxtil, um setor onde apenas 11% da força de trabalho é altamente qualificada.

É este o retrato antecipado pela CIP para a década 2020/2030. Olhando para a totalidade do país, o estudo admite que a robotização e inteligência artificial sejam responsáveis por mais de um milhão de postos de trabalho no setor industrial na próxima década.

A boa notícia é que a autonomização vai criar 227 mil novos empregos – ainda assim, saldo negativo: há 194 mil postos de trabalho perdidos.

Significa isto que a inevitabilidade dos robôs e da inteligência artificial na nossa indústria vai desafiar empresas e trabalhadores num esforço de requalificação. O segredo está na formação contínua.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.