Jacinto Lucas Pires-Henrique Raposo
Um escritor, dramaturgo e cineasta e um “proletário do teclado” e cronista. Discordam profundamente na maior parte dos temas. À segunda e quarta, às 9h15
A+ / A-
Arquivo
Jacinto Lucas Pires e Henrique Raposo - Proteção de dados e Prémio Camões a Chico Buarque - 22/05/2019
Jacinto Lucas Pires e Henrique Raposo - Proteção de dados e Prémio Camões a Chico Buarque - 22/05/2019

H. Raposo

Os nossos dados são vendidos "numa espécie de mercado negro que todos aceitamos"

22 mai, 2019


Henrique Raposo e Jacinto Lucas Pires comentam hoje a nova lei de proteção de dados e o Prémio Camões atribuído a Chico Buarque.

Henrique Raposo questiona-se: “porque é que temos de dar dados?” No seu entender, “é inaceitável”, por exemplo, a quantidade de informação pessoal que a Apple pede para o ‘ID card’.

“A Apple não tem de saber aqueles dados sobre mim, é inaceitável. Dados que depois são vendidos! A Apple vende, o Facebook vende numa espécie de mercado negro que todos aceitamos”, critica.

Jacinto Lucas Pires, que nesta quarta-feira participou no debate a partir de Viena, na Áustria, chama a atenção para o facto de o setor público poder ficar de fora da fiscalização.

“É um bocado incompreensível porque, de facto, muitos dados delicados estão na mão dos serviços públicos”, mas depois obrigam “empresas, às vezes com uma pequena dimensão e até organizações sem fins lucrativos a gastar dinheiro, quando o Estado não dá o exemplo.”.

A distinção feita a Chico Buarque, que ganhou o prémio Camões 2019 é, por outro lado, muito bem vista pelos dois comentadores.

“Acho ótimo”, diz Henrique Raposo. “Aqui premeia-se sobretudo os poemas. Podes comprar um livro dos poemas do Chico Buarque, que por acaso são cantados”, diz.

Jacinto Lucas Pires elogia o “grande escritor, não só de letras como de livros e romances”. “É um caso em que o premiado prestigia o prémio”, conclui.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.