Opinião de Ribeiro Cristovão
A+ / A-

​Vira o disco…

20 mai, 2019 • Opinião de Ribeiro Cristovão


O Benfica ganhou, como se previa, o 37.º campeonato da sua história centenária, facto que justifica todo o alarido que varre o país há muitas horas e assim vai continuar.

De um lado, a grande maioria, a celebrar um acontecimento importante, depois de uma longa caminhada nem sempre fácil de conduzir. Do outro, a voz dos contestatários que, como em todas as circunstâncias, revelam dificuldade em aceitar o sucesso da concorrência.

É este o cenário com que nos deparamos todos os anos, pelo que não há razão para nenhum de nós se mostrar surpreendido. A única diferença assenta apenas no facto de as cores alternarem e os seus prosélitos também.

Mas, a procissão ainda agora está no início, não havendo dúvidas de que irá prosseguir nas semanas e meses seguintes.

Porém, o que fica é o título alcançado pelo clube da águia, que dispôs da equipa mais regular e mais realizadora, e que chegou ao fim com o maior número de pontos conquistados.

Além disso, em determinado período da temporada, conseguiu ser igualmente aquela que exibiu maior qualidade no que ao futebol praticado respeita.

Como sempre, ninguém estaria à espera que, da parte dos seus rivais mais diretos, se ouvissem acenos de concordância quanto à superioridade exibida. E, muito menos, que os parabéns fossem endereçados àqueles que materializaram a festa.

Neste país pequenino acontece quase sempre isto, com raríssimas exceções. Por isso é melhor virar a página e apontar para a despedida da temporada que vai ter lugar no Estádio Nacional no próximo sábado, onde estarão de novo as equipas do Futebol Clube do Porto e do Sporting Clube de Portugal, para decidir qual deles regressará a casa levando consigo a sempre preciosa Taça de Portugal.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • António Marques
    20 mai, 2019 13:30
    É uma opinião de alguém que alinha pela hipocrisia que se vive hoje na comunicação social, é preciso audiências e para onde houver mais "clientes", aponta-se a mira do discurso. Reforme-se Sr. Cristovão!