Conversas Cruzadas
Programa sobre a atualidade que passa ao domingo, das 12h00 às 13h00, com reposição à segunda-feira entre as 00h00 e a 01h00.
A+ / A-
Arquivo
Conversas Cruzadas - Antevendo 2019 - 30/12/2018
Conversas Cruzadas - Antevendo 2019 - 30/12/2018
Conversas Cruzadas

2019, redefinir equilíbrios em ano de risco

30 dez, 2018 • José Bastos


Luís Aguiar-Conraria, Nuno Botelho e Álvaro Neves analisam a actualidade da semana e ensaiam a aproximação ao ciclo eleitoral do novo ano.

Em Portugal, 2019 vai ficar marcado pelo ciclo eleitoral. As eleições europeias em 26 de Maio, as regionais da Madeira em 22 de Setembro e as legislativas no início do Outono.

Este é o calendário que centrifugará toda a acção pública, mas o vórtice de todo este fluído político converge para 6 de Outubro.

O PS parte à frente para este triplo teste nas urnas (regionais na Madeira marcadas por temas locais, mas europeias são pré-teste das legislativas) a menos que uma crise súbita na economia europeia ou um ‘cisne negro’ nacional - evento improvável mas não impossível – venha baralhar os dados.

À direita do PS, aposta-se em áreas de debilidade dos serviços públicos: dos incêndios, furacão Leslie, colapso de estradas, heli do INEM até à saúde e educação.

A propósito: o ano vai começar com o governo a ser forçado pelo presidente a negociar e rever a sua posição face à carreira dos professores. Marcelo não diz como se paga, mas 100 mil funcionários públicos (de militares a polícias passando por magistrados) estão muito atentos à solução para os docentes.

Estes são temas para a análise com Luís Aguiar-Conraria, Nuno Botelho e Álvaro Neves, antigo director do extinto GPIAA – Gabinete de Investigação e Prevenção de Acidentes com Aeronaves. Em Janeiro de 2017, quando foi exonerado por se ter queixado do estrangulamento financeiro ao organismo, Álvaro Neves disse “não haver condições para prevenir e investigar grandes acidentes aéreos”. E agora há?

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Antonio Campos
    06 jan, 2019 Coimbra 16:25
    Ouvi um comentador, que creio ser economista, criticar o discurso do recém-empossado governo brasileiro com o argumento de que o marxismo cultural não existe. Sugiro mais rigor por parte de quem se ocupa de números quando se referir a questões de filosofia e de educação. E já agora, sugiro que leia os escritos de Engels sobre família, a escola de Frankfurt e a obra de António Gramsci. Depois, se tiver honestidade intelectual, nunca mais afirme que não existe algo como o marxismo cultural. Se não gostar de ler, uma simples pesquisa na net será elucidativa. Um comentador numa rádio pública tem pelo menos a responsabilidade de não induzir os outros em erro. Cumprimentos. António Campos
  • hugo damas
    02 jan, 2019 joane 17:53
    E gente de esquerda neste painel? Há?