Opinião de Ribeiro Cristovão
A+ / A-

Afinal, não houve Taça

26 nov, 2018 • Opinião de Ribeiro Cristovão


Estão na eliminatória aprazada para 19 de Dezembro treze equipas do escalão principal, apenas duas da segunda Liga e uma do campeonato de Portugal, o Centro Desportivo e Cultural de Montalegre.

A eliminatória da Taça de Portugal que ficou concluída neste domingo escapou àquela que tem sido quase regra geral, a de provocar tomba gigantes e surpresas de monta que a história regista com agrado geral.

Afinal, exceptuando o calafrio sofrido pelo Benfica frente ao surpreendente Arouca, que quase o atirava pela borda fora, e a qualificação para os oitavos-de-final de um clube do terceiro escalão oriundo de Trás-os-Montes, nada de especial se passou.

Estão, assim, na eliminatória que se seguirá e está aprazada para o dia 19 de Dezembro próximo, treze equipas do escalão principal, apenas duas da segunda Liga e uma do campeonato de Portugal, o Centro Desportivo e Cultural de Montalegre, fundado há exactamente 54 anos.

E vai para esta colectividade do nordeste transmontano, situada no distrito de Vila Real, com um estádio que apenas comporta cerca de cinco mil espectadores, o foco principal no rescaldo da quinta eliminatória da Taça, esperando-se que no jogo seguinte, independentemente do adversário que lhe couber em sorte, possa jogar de novo em sua casa, como aconteceu agora no desafio contra o Recreio de Águeda.

De resto, e como já deixámos dito, pouco sobra para a história desta jornada.

O Sporting venceu, sem margem para dúvidas, na estreia do seu novo treinador que entrou assim com o pé direito, enquanto os portistas, mesmo sem grande esforço, deixaram para trás o Belenenses SAD, num clássico que parecia prometer mais, mas no qual os dragões nem sequer deixaram respirar o seu opositor lisboetas.

Finalmente, o Benfica que mal ganhou para o susto e se livrou, à tangente, de um vexatório prolongamento frente ao Arouca, que incomodou até ao limite, e muito contribuiu para voltassem ao de cima algumas das insuficiências que têm marcado a carreira dos comandados de Rui Vitória nestes tempos mais recentes.

E ,pronto, afinal não houve Taça. Fica para a próxima.

Artigos AnterioresRibeiro Cristovão
 

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.