Renascença Reportagem
O espaço de reportagem da Renascença. Terça depois das 12h
A+ / A-
Arquivo
Imigração. Ir para Beja a apanha da azeitona e ficar por lá
Imigração. Ir para Beja a apanha da azeitona e ficar por lá

Imigração. Ir para Beja à apanha da azeitona e ficar por lá

06 nov, 2018 • Manuela Pires e André Peralta (sonorização)


A reportagem da Renascença viaja até ao Alentejo, onde por estes dias chegam milhares de imigrantes para trabalhar na apanha da azeitona.

Ainda este fim de semana, o Observatório da Emigração lançou o alerta: Portugal precisa desesperadamente de imigrantes para combater a falta de mão-de-obra e, por isso, precisa de facilitar a entrada de estrangeiros.

A reportagem da Renascença viajou até ao Alentejo, onde, por estes dias, chegam milhares de imigrantes que vão trabalhar na apanha da azeitona. Muitos acabam por ficar.

De acordo com dados oficiais do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF), em 2017 havia perto de 422 mil cidadãos estrangeiros com autorização de residência em Portugal, sendo o Alentejo uma das regiões onde mais se fixam. Em Beja, eram mais de oito mil os cidadãos estrangeiros legalizados, o que representava uma subida de 11% em relação a 2016.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.