Opinião de Francisco Sarsfield Cabral
A+ / A-

​Paz social

29 out, 2018 • Opinião de Francisco Sarsfield Cabral


A apregoada paz social que o governo da “geringonça” trouxe nos seus primeiros tempos acabou. Há um ano o PCP percebeu que apoiar o governo socialista lhe tirava votos e mandou avançar o seu braço sindical.

Na sexta-feira passada a função pública, da administração central e local, fez greve, decretada por sindicatos da CGTP e da UGT. Uma novidade para o governo da “geringonça”. Apesar de ter sido retomado o horário das 35 horas (um erro responsável por grande parte dos problemas nos hospitais públicos e noutros serviços do Estado) e de terem sido revertidos os cortes salariais decretados no tempo da troika e ainda de ter sido revogada a lei que permitia despedimentos na administração pública, os sindicatos não estão satisfeitos. Querem mais.

No dia da greve da função pública, que teve expressiva adesão, a manchete do jornal “Público” informava que houve mais greves durante o governo de Costa do que com Passos. O próprio “Público” matizava um pouco a sua manchete, sublinhando no texto que há mais greves, mas mais curtas, durante o atual governo, e que não são, agora, convocadas greves gerais (juntando sindicatos do sector público e do sector privado), greves que eram frequentes no mandato do governo PSD-CDS.

De qualquer forma, a apregoada paz social que o governo da “geringonça” trouxe nos seus primeiros anos manifestamente acabou. É simples a explicação do principal fator deste fenómeno. Nas autárquicas de 2013 o PCP-PEV (verdes) obteve mais de 11% dos votos globais. Em 1 de outubro de 2017 desceu para 9,5%. Ou seja, o apoio parlamentar ao governo socialista tirou votos aos comunistas.

Naturalmente que um partido com a tradição institucional do PCP não iria, por causa desse desaire eleitoral, rasgar os acordos que celebrou com António Costa para permitir que este chegasse a primeiro-ministro. A resposta foi outra: endurecer o combate sindical da CGTP. E a UGT teve, até certo ponto, de acompanhar.

Veja-se o que aconteceu, em matéria de greves, no ano decorrido desde as últimas autárquicas, nomeadamente na Educação, mas também na Saúde, nos transportes, na administração pública…

Trata-se, também, de um aviso para o futuro: o PCP não alinhará, daqui a um ano, numa eventual nova “geringonça”. Também não creio que A. Costa queira solicitar, de novo, o apoio parlamentar de dois partidos de extrema esquerda, caso não obtenha uma maioria absoluta. Ainda que tenha de enfrentar muitas greves, se for governo.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Cidadao
    29 out, 2018 Lisboa 16:18
    Alguns apartes: a lei dos despedimento na Função pública não foi retirada mas sim declarada inconstitucional pelo Tribunal Constitucional. Continuam a haver despedimentos na FP mas já não liberalizados, como o governo da ditadura PSD-CDS-Cavaco Silva, queria. E as greves têm por razão a quebra de palavra do governo, que prometeu e quando chegou a altura de honrar as promessas, assobiou para o lado, refugiou-se em jogos de palavreado, para não cumprir o que tinha prometido. É que vão ser precisos mais alguns milhares de milhões para tapar o novo buraco do Novo Banco, e para ir para a Banca, não vai para os serviços públicos, nem para contar tempos de serviço - a não ser claro, Juízes, militares e polícias, aqueles que convém ter do "nosso lado".