A+ / A-
Eleições no Brasil

Da esquerda à direita, brasileiros querem “mudança”

07 out, 2018 • Mia Alberti, em São Paulo


Há brasileiros que votaram em Lula e agora se viram para Bolsonaro. Mas há também quem não desista do PT.

Veja também:


Diego Nascimento tem 29 anos e trabalha numa banca de jornais em São Paulo. As capas das revistas e dos diários à sua volta têm as últimas previsões sobre as eleições deste domingo, dia 7 de outubro.

Em anos anteriores, Diego votou em Lula da Silva, do Partido dos Trabalhadores. Relembra que nos tempos áureos do ex-Presidente a facilidade de encontrar emprego “tinha muita oportunidade e pouca concorrência”.

No entanto, “desde 2015 que as coisas vêm piorando”. É por isso que, este ano, o voto de Diego é outro: “Eu vou votar no Jair Bolsonaro”.

“Há muita corrupção, muita roubalheira e o PT está há muito tempo no poder. Então eu acho que o Brasil está a precisar de uma mudança”, justifica o jovem paulistano, que vai ser pai pela primeira vez em dezembro, de uma menina.

Também Daniela, dentista e mãe de um menino de sete anos, votou em Lula anteriormente, mas este ano o seu candidato é Bolsonaro. No seu entender, o candidato de extrema-direita defende os seus ideias da “família, da moral e dos costumes” e é “contra a corrupção”.

“Ele é o único candidato que não está ligado à corrupção”, diz Daniela durante um passeio por São Paulo com a sua mãe e o filho.

Bolsonaro e Haddad: os extremos

Jair Bolsonaro é o candidato do Partido Social Liberal, de agenda conservadora. Bolsonaro lidera as sondagens com 35% dos votos. A sua vantagem tem vindo a crescer. Na última semana de campanha ganhou quatro pontos percentuais de votos.

Em segundo lugar aparece Fernando Haddad, com 22% dos votos. É o candidato do Partido dos Trabalhadores e discípulo de Lula da Silva. No entanto, o antigo ministro da Educação durante o governo do ex-presidente não foi capaz de alcançar o seu nível de popularidade.

A sua campanha tem sido apontada por muitos como uma “fachada” e o próprio partido disse que em caso da vitória de Haddad, Lula da Silva, a partir da prisão, iria decidir as políticas do governo.

Haddad e Bolsonaro estão em lados políticos completamente opostos, mas houve quem saltasse de ume extremo para o outro: quando Lula da Silva foi impedido de concorrer, 6.2% dos seus apoiantes, trocaram o seu voto para Jair Bolsonaro.

No entanto, Edna, dona de casa e nascida no Nordeste (uma região altamente beneficiada pelos programas sociais de Lula durante o seu Governo) diz que vai continuar a votar no Partido dos Trabalhadores.

“Eu acho que ele seria um bom Presidente. Eu gostei do trabalho dele durante o Governo de Lula e aqui na câmara de São Paulo [como presidente]”, diz.

Mas Edna ainda está indecisa: “nós votamos numa pessoa, nós confiamos nela, nós pomos a nossa fé nela e depois ela chega lá [ao Governo] e você toma aquele banho de água fria inesperado”.

Na verdade, seria mais fácil perguntar em quem os brasileiros não vão votar. Um sinal claro do descontentamento com a política no Brasil é que todos os candidatos têm taxas de rejeição mais altas do que intenção de votos.

A corrupção e o desemprego (que atinge 12.9 milhões de pessoas no Brasil) são os problemas mais preocupantes para os eleitores brasileiros, a par da saúde e da segurança.

É por isso que, da esquerda à direita, há algo que todos os eleitores têm em comum: sofrem com a situação atual do Brasil e todos querem mudança.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Anónimo
    07 out, 2018 14:23
    É preciso serem burros. O PT já não está no governo e como tal votar no PT é a mudança. Já votar num deputado que só aprovou uns dois projectos ao longo de uma vida a viver à custa dos contribuintes revela bastante burrice.