O Mundo em Três Dimensões
Números que contam histórias. De segunda a sexta às 05h40, 14h30 e 21h10 com reposição ao fim-de-semana.
A+ / A-
Arquivo
O Mundo em Três Dimensões - Ténis - 02/10/2018
O Mundo em Três Dimensões - Ténis - 02/10/2018
O MUNDO EM TRÊS DIMENSÕES

Serena Williams tinha razão? Os números respondem

02 out, 2018 • André Rodrigues , Paulo Teixeira (sonorização)


Tenista norte-americana acusou o juiz Carlos Ramos de conduta sexista e discriminatória, pelo simples facto de ser mulher. Mas os números desmontam cabalmente essa narrativa.

Hoje, que tal retomar uma temática fraturante?

Ténis. Retomamos o caso de Serena Williams que foi punida pelo árbitro português Carlos Ramos por conduta imprópria durante a final feminina do Open dos Estados Unidos que foi ganha por Naomi Osaka.

Essa deveria ser a notícia: uma tenista japonesa de 20 anos venceu a consagrada tenista norte-americana, que conquistou 23 troféus do Grand Slam, sendo a maior campeã da história destes torneios, a seguir Steffi Graff.

Serena, que chegou a número um do mundo em julho de 2002, é hoje a número 16. E a desconhecida Naomi Osaka é a oitava melhor tenista do mundo

Mas, na verdade, a grande notícia de 8 de setembro e dos dias que se seguiram acabou por ser a exaltação de Serena contra o árbitro do encontro. A raquete também pagou. Pobre coitada, ficou toda empenada depois de ter sido violentamente arremessada contra o solo de Flushing Meadows depois de mais um ponto perdido.

Permita-me ser opinativo: toda aquela violência verbal esbarrou na cordialidade do árbitro português.

De quê que Serena estava à espera depois de lhe chamar ladrão e mentiroso? Depois de ter recebido instruções do seu treinador, sabendo que isso viola as regras?

Mas, em sua defesa, a tenista norte-americana acusou o juiz da partida de conduta sexista e discriminatória, pelo simples facto de ser mulher.

Mas os números, esses marotos, desmontam cabalmente essa narrativa.

De acordo com um gráfico publicado dias depois desse episódio pelo jornal britânico The Guardian e pelo New York Times, conclui-se que só no US Open os árbitros penalizaram os homens quatro vezes mais do que as mulheres.

86 penalizações para eles contra 22 para elas.

Nos últimos 20 anos de torneios do Grand Slam, os homens receberam quase três vezes mais penalizações do que as mulheres.

86% das infrações por abuso de raquete punidas foram praticadas por homens. 80% das infrações por abusos verbais punidas, também.

E, que eu saiba, nenhum tenista homem se veio queixar de sexismo.

Claro que, em matéria de abusos, não há nenhum como John McEnroe. Um dos grandes tenistas da sua geração e um génio de fugir.

O que, ao longo de toda a carreira, lhe custou quase 20 mil dólares em sanções pecuniárias. E mais de 100 dias de suspensão.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.