A+ / A-

António Figueiredo acusa Conselho de Disciplina de discriminar o Benfica

13 set, 2018


O antigo dirigente dos encarnados não entende como outros casos, a envolver adeptos dos rivais, não foram julgados da mesma forma. O Benfica foi punido com um jogo à porta fechada, por comportamento incorreto dos adeptos, no Estoril.

António Figueiredo acusa o Conselho de Disciplina da Federação (CD), liderado por José Manuel Meirim, de parcialidade no julgamento dos casos que envolvem o Benfica. O antigo dirigente dos encarnados considera "inacreditável" que casos similares, a envolver os rivais, não sejam julgados da mesma forma.

"Deixou em branco a invasão do terreno de jogo [no Dragão] para agredir um jogador [Pizzi] e a questão de Juve Leo, que enviou as tochas para cima do Rui Patrício [no jogo com o Benfica]. É inacreditável e é natural que se fique com dúvidas [sobre as razões que motivam as decisões]", argumenta, em entrevista à Renascença.

Sem desculpar o comportamento incorreto dos adeptos do Benfica, António Figueiredo classifica a punição de um jogo à porta fechada, ditada pelo CD, de "inqualificável". "Não faz sentido o clube visitante ser responsável pelo que acontece na casa do visitado [Estoril]. O Benfica vai ganhar este recurso a brincar", antevê o antigo dirigente dos benfiquistas, que manifesta, ainda, opinião sobre o facto da preferência clubística de José Manuel Meirim ser, alegadamente, o Benfica.

"Às vezes, a pessoa tem tendência a ser mais parcial e prejudicar aqueles de quem mais gosta. Para dar um ar de imparcialidade", observa.

O Benfica, o Braga e o Paços de Ferreira foram punidos com um jogo à porta fechada, devido ao comportamento incorreto dos seus adeptos.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.