A+ / A-

Cimeira de vizinhos tenta encontrar soluções para êxodo na Venezuela

27 ago, 2018


Cerca de 2,3 milhões de habitantes fugiram da Venezuela por causa da crise política, económica e social em que está mergulhado o país.

O Brasil vai participar, juntamente com a Colômbia, o Equador e o Peru, numa reunião que começa esta segunda-feira em Bogotá para procurar soluções regionais para o êxodo de milhares de venezuelanos que fugiram da crise no seu país.

Em comunicado, a agência de controlo migratório colombiana, Migración Colombia, indicou que, nas "últimas horas", o Brasil "confirmou a sua participação" na reunião, que decorrerá à porta-fechada até terça-feira e na qual os quatro países tentarão encontrar "estratégias conjuntas" para lidar com o enorme número de cidadãos venezuelanos que diariamente atravessam as suas fronteiras.

No final, as autoridades migratórias dos quatro países divulgarão uma declaração da qual constará o acordado para gerir a questão dos migrantes venezuelanos.

A Organização Internacional para as Migrações (OIM) advertiu na passada sexta-feira que a fuga dos venezuelanos para os países vizinhos "pode rapidamente transformar-se numa crise".

"Vemos ondas de violência no Brasil (contra venezuelanos na cidade fronteiriça de Pacaraima) e as medidas restritivas de alguns Governos (com a exigência de passaportes para entrada no Equador e no Peru) como o primeiro alerta de que uma situação difícil pode muito rapidamente transformar-se numa situação de crise, e temos de estar preparados", disse o porta-voz da OIM.

Entretanto, no sábado, a justiça equatoriana suspendeu a exigência de passaportes aos migrantes venezuelanos, e, hoje, a Amnistia Internacional veio instar o executivo peruano a recuar em relação a essa medida, aplicada desde sábado nas fronteiras do país e que fez cair para menos de metade a entrada de venezuelanos em território peruano.

Na semana passada, o diretor da Migración Colombia, Christian Krüger Sarmiento, sublinhou que "o êxodo de cidadãos venezuelanos não é um problema exclusivo da Colômbia, do Peru, do Equador, ou de um só país", acrescentando que se trata de "um assunto regional" que como tal deve ser abordado.

O responsável salientou igualmente que os venezuelanos "não estão a deixar o seu país por gosto, mas como consequência de uma série de políticas de expulsão geradas por Nicolás Maduro".

Cerca de 35 mil venezuelanos atravessam diariamente a fronteira com a Colômbia, alguns em busca de comida e medicamentos e outros para abandonar definitivamente o seu país, e pelo menos um milhão de venezuelanos já se instalou definitivamente na Colômbia.

O Peru é, a seguir à Colômbia, o segundo país que alberga mais migrantes venezuelanos, com cerca de 400.000 chegados no último ano, segundo dados oficiais de Migraciones de Perú, mas só cerca de 75.000 têm Autorização Provisória de Permanência (APP), ao passo que outros 100.000 estão ainda à espera de obtê-la.

No total, cerca de 2,3 milhões de habitantes fugiram da Venezuela por causa da crise política, económica e social em que está mergulhado o país, de acordo com os mais recentes números da ONU, que alertou para a grave falta de alimentos e medicamentos com que se debate a população do país com as maiores reservas de petróleo do mundo.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.