Opinião de Graça Franco
A+ / A-
​Opinião de Graça Franco

A liberdade de morrer e o dever de salvar

26 fev, 2018 • Opinião de Graça Franco


Hoje o André parece-nos um herói. E foi. Mas fez a coisa mais instintiva e natural. Até ao fim tentou salvar uma vida e só isso já é dar-lhe uma razão acrescida para querer viver. Porque será que ninguém pensa nisto quando se discute o extremo oposto? Quando se defende a eutanásia.

Na semana passada, o André tinha 19 anos e deu literalmente a vida para salvar um desconhecido de 69 que entrara nas águas do Douro ao volante de um automóvel, de forma aparentemente deliberada.

Talvez o condutor tivesse pensado que já não tinha nada a dar ou receber da própria vida. Talvez já tivesse desistido de pensar que a sua vida ainda valia a pena ser vivida. E no momento mais improvável da morte procurada encontrou-se com um desconhecido pronto a dar a vida por ele.

“Sem que nada o fizesse prever”, depois de libertado o condutor do cinto de segurança que o amarrava à morte e de o puxar para a margem”, André já não conseguiu apanhar a corda que os amigos lhe lançavam “abriu os braços e apagou-se” levado pelo rio.

Num salto, outro jovem quis, em vão, ir ainda ao encontro do André, mas só conseguiu abraçar o corpo que o jovem tinha resgatado da morte.

André não queria morrer, queria apenas que o outro que se lançara ao volante nas águas do Douro vivesse também. Antes, com o grupo de amigos na margem já lhe tinha gritado que voltasse, desistindo da morte procurada, mas ele, teimoso, parecia que “cada vez metia mais a cabeça na água”. Foi então que o André não desistiu da vida de quem parecia procurar a morte. Saltou para a água gelada, tirou-lhe o cinto de segurança puxou-o para a margem. A morte já devia andar por ali, porque o levou a ele, André, rio abaixo.

A notícia sobre as buscas do corpo do André não nos conta mais nada da sua história. Não nos diz se ao volante ia alguém em sofrimento insuportável ou em doença terminal, que deixara uma, duas, três cartas a garantir que decidira partir ao encontro da morte naquela noite. Não nos diz se aquele homem desesperado, em vez de preferir ajuda para ser salvo, não buscava, pelo contrário, uma mão que o ajudasse a morrer quanto antes.

A imprensa não nos fala do artigo 24.º da Constituição e do direito inalienável de cada português à vida. Não debate se o André tinha ou não tinha o dever inalienável de tentar salvá-lo. Não nos diz, sequer, se os jovens que testemunhavam a cena podiam ser culpados de crime de omissão de auxílio a alguém em dificuldades e perigo de vida. Não nos diz se o Homem resgatado sequer sobreviveu, ou não, e, caso tenha sobrevivido, agradeceu aos jovens ou os amaldiçoou por não ter conseguido o que queria.

O texto da notícia não nos diz se o André era católico, ortodoxo, muçulmano ou ateu. Não nos diz se no grupo se questionou, nem que fosse por um instante, se havia algum conflito de direitos entre o dever de salvar o aparente suicida e o desejo dele de morrer. O direito daquele homem “livre” a enfiar cada vez mais a cabeça na água, a cada grito de que saísse do automóvel, e voltasse para a margem, conflituava com o dever de evitar a sua morte. Diz-nos o jornal apenas que os miúdos não desistiram de salvar uma vida a um condutor que, à sua vista, enfiara o automóvel nas águas do rio gelado. Diz-nos só que o André foi lá buscá-lo, mesmo quando o viu enfiar cada vez mais a cabeça na água, num gesto de aparente recusa de qualquer auxílio.

Hoje o André parece-nos um herói. E foi. Mas fez a coisa mais instintiva e natural. Até ao fim tentou salvar uma vida e só isso já é dar-lhe uma razão acrescida para querer viver. Porque será que ninguém pensa nisto quando se discute o extremo oposto? Quando se defende a eutanásia.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • maria vaz
    11 mar, 2018 portimao 14:07
    O seu texto é lindo, comove, faz pensar (talvez porque sofro a perda de um filho também).Guardei-o, copiei-o e vou entregá-lo a algumas pessoas para que o leiam também.
  • Armenio
    27 fev, 2018 Lisboa 15:31
    Dois jovens heróis que deveriam ser condecorados pelo PR prof Doutor Marcelo Rebelo de Sousa.Um certo sentido do dever e formação levou estes miúdos a arriscar a vida.Pergunte-se poquê e obeterse-ao mts respostas,um deles sobreviveu é fácil perguntar e daí se tirem novas ilações.Nenhum deles porventura saberá ou não das diversa tramas politicas sobre a vida mas tentaram resgatar uma.Quanto á Eutanásia quer legalizada ou não será sempre crime.O TPI já deveria ter feito as respetivas condenações de quem as pratica e não sabemos se o não fará ,a politica é mto volúvel e as noites não são sempre iguais depende das demandas prevalecentes nos diferentes conteistos.O herói de hoje poderá ser considerado assassino amanha e o reverso também.
  • Tristeza
    27 fev, 2018 Portugal 15:02
    Em França, próximo de Verdun, uma placa, "Ao Meu Filho, desde que os teus olhos se fecharam, os meus não param de chorar".
  • MASQUEGRACINHA
    26 fev, 2018 TERRADOMEIO 16:40
    Já agora, o texto da notícia também não nos diz se o André não seria um fervoroso defensor da eutanásia, ou se o pretenso suicida não padeceria de alguma demência e não pensaria estar a estacionar à porta de casa... Quase certo é que se o André soubesse que ia morrer não saltaria para a água, e certeza completa é a do seu heroísmo. Agora, por mais voltas que dê, não consigo descortinar a relação lógica entre os casos, nem perceber a que conclusão afinal pretende chegar a articulista: que os defensores da eutanásia seriam incapazes de um tal heroísmo, por respeito à vontade de um aparente (aparente, repito) suicida?!! Mas a Dª Graça Franco não precisa que ninguém lhe aponte as fraquezas da argumentação, pois não? Com o devido respeito, queixam-se muito os opinadores das boçalidades que vão aparecendo nas caixas de comentários, mas não se coíbem de manipular a simplicidade de espírito dos leitores... se a causa for meritória.