Conversas na Bolsa
Grandes debates e conversas no Palácio da Bolsa, no Porto. Organizadas pela Associação Comercial do Porto com o apoio da Renascença
A+ / A-
Arquivo
Conversas na Bolsa - Ricardo Rio - 08/03/2019
Conversas na Bolsa - Ricardo Rio - 08/03/2019
Mais Opções
Partilhar
Conversas na Bolsa

​Ricardo Rio foi anti-regionalização, mas agora admite que "é o melhor caminho"

08 mar, 2019 • Henrique Cunha


Presidente da Câmara de Braga foi o convidado deste mês das Conversas na Bolsa, no Porto.

O presidente da Câmara de Braga, Ricardo Rio, diz que "é absolutamente fundamental que o Estado proceda a uma reorganização de competências e recursos que o possam tornar mais próximo dos cidadãos".

Na edição de março das "Conversas na Bolsa", que decorreu no Porto, o autarca social-democrata desafiou "PSD e PS a, de forma responsável, assumirem uma posição clara sobre o que pretendem fazer em matéria de regionalização após as próximas eleições legislativas".

Ricardo Rio lembra que, em 1998, foi um opositor do processo de regionalização porque "não a considerava adequada à nossa realidade", mas a experiência autárquica foi "absolutamente transformadora, ao ponto de hoje pensar que o melhor caminho é o da regionalização.

O autarca lembra o esforço que os presidentes de câmara do Norte - Rui Moreira, Eduardo Vitor Rodrigues – têm vindo a fazer no sentido de "se fazer ver aos partidos políticos que o assunto não pode ser tratado com ligeireza".

Ricardo Rio é um opositor do processo de descentralização em curso, classificando-o de "um processo minimalista de descentralização". Para o autarca, o que se está a fazer "é um endosso de determinadas responsabilidades, muitas vezes sem o envelope financeiro necessário para as assumir", o que levou Braga a "rejeitar, liminarmente, todas as competências que nos tentaram endossar".

Importância da InvestBraga na economia do concelho e da região

O 16.º convidado das “Conversas na Bolsa”, uma iniciativa da Associação Comercial do Porto, escolheu para tema de conversa “Ganhar a norte” e começou por lembrar a sua chegada à Câmara Municipal de Braga, em 2013, “em que a realidade era muito diferente da atual, face à intervenção da troika”

A crise “obrigou a contenção no investimento e proporcionou taxas de desemprego elevadíssimas em todo o país e também no concelho”. Portanto, “a primeira prioridade foi a dinamização económica do concelho” e a primeira iniciativa que tomou para concretizar essa dinamização foi “criar aquela que foi a primeira agência para dinamização económica no nosso pais de base local – a InvestBraga”.

Ricardo Rio afirma que “os resultados estão à vista” , pois “ao longo dos últimos cinco anos nós criámos oito mil postos de trabalho líquidos”, ou seja “criamos efetivamente muito emprego na cidade de Braga, atraímos para Braga empresas, unidades comerciais, e na área do turismo foram criadas várias unidades hoteleiras”.

Rio lembra, por outro lado, que “na área da industrial captamos também novos projetos e, sobretudo, vimos crescer de uma forma absolutamente exponencial muitos projetos que estavam no concelho de Braga”.

O autarca faz questão de sublinhar que “Braga, além desses postos de trabalho que criou, das empresas que atraiu” é hoje “informalmente o terceiro maior exportador”, reforça Ricardo Rio, porque “os 500 milhões de euros que são vendidos pela Active a partir de Braga estão imputados a Lisboa”.

Por isso, e do ponto de vista formal, Braga “é hoje o sétimo maior exportador, ultrapassando o Porto, Vila Nova de Gaia e Guimarães e outros Concelhos que tinham uma tradição exportadora muito mais evidente”.

Para reforçar a ideia da capacidade exportadora de Braga e dos concelhos vizinhos, Ricardo Rio classifica de “particularmente interessante a junção dos casos de Braga, de Guimarães e de Famalicão que estão num raio de 10 quilómetros e que detêm cerca de 10 % das exportações que são geradas pelo nosso pais em diferentes sectores de atividades”. Um dado que “nos deixa particularmente expectantes e otimistas em relação ao futuro”, assegura o autarca de Braga.

O concelho tem também apostado na qualidade de vida. Ricardo Rio quer que Braga seja “uma cidade feliz, de cidadãos felizes que se revejam na sua cidade, que tenham na cidade tudo aquilo que satisfaz as suas necessidades”.

Aos cidadãos, o autarca pede que “tenham também para com a cidade um espírito de identidade forte que a ajude a crescer”.

Ricardo Rio recorda por outro lado que “o município de Braga tem sido considerado, de forma generalizada, uma das autarquias mais familiarmente responsáveis do país”, com muitas iniciativas desenvolvidas que “vão ao encontro das necessidades básicas das famílias”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • FERNANDO MACHADO
    17 mar, 2019 PORTO 11:58
    ISTO DE CRIAR POSTOS DE TRABALHO LÍQUIDOS, NÃO LEMBRA AO DIABO ISTO DE VIRA CASACAS É PERIGOSO. CONHEÇO MUITOS...